Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

Barreiras e rotundas na 2ª circular

Sobreda, 01.11.07

A estrutura viária é um dos elementos fundamentais da organização e forma de uma área urbana. A hierarquia da rede viária é função da sua qualidade - principal ou distribuidora, ou secundária ou local. Ressalta ainda, como qualidade de uma rede viária, a topografia, a exposição ao sol e aos ventos dominantes, a presença de indústria ou de habitação (tipo de ocupação do território), o fluxo previsto e as expansões.

Ao abordar-se a mobilidade, deve ser incluída a proposta de circulação pedonal, de ciclovias, de circulação automóvel e de transporte pesado. Estas últimas geram fluxos de poluições sonora e atmosférica, de tempo gasto em deslocações, stress, insegurança, incidentes, acidentes e conflitualidade social.

Na definição de uma nova via implica considerar focos de poluições, segurança e isolamento, cortando o território e gerando novos hábitos e necessidades que geram isolamento e até segregação social. Para se atravessar uma via rápida, é normalmente necessário percorrer distâncias quase sempre superiores.

No caso da 2ª circular, esta via funciona como um muro, não só de carácter físico ‘obstáculo’, efectivamente é intransponível na sua grande parte, mas também como barreira de poluição sonora e atmosférica. Basta observar a orientação dos edifícios - ou voltados de costas para a circular ou protegidos por barreiras acústicas que acentuam ainda mais o carácter de barreira.

A 2ª Circular tem génese no Plano Geral de Urbanização de Lisboa do arquitecto e urbanista Meyer-Heine de 1967 (publicado em 1977). As estatísticas mostram que ao longo do seu traçado a população residente decresceu cerca de 15% entre 1991 e 2001. As freguesias com aumento populacional são a Encarnação (3,8%), o Lumiar (6,5%), a Charneca (9,8%) e Carnide (28,6%).

Há quem proponha que a 2ª circular seja transformada em via de circulação local devido a três factos em prospectiva: a (eventual) saída do Aeroporto da Portela, a entrada em funcionamento do (deficiente) Eixo Norte/Sul, o (futuro) fecho da CRIL. Parte-se do pressuposto que a conclusão destas três obras viria reduzir o volume de circulação automóvel que hoje utiliza a 2ª circular para atravessamento da cidade e eliminar quase todo o tráfego com destino ao aeroporto 1. Actualmente não é essa a realidade 2.

Como alternativa viária, a transformação da 2ª circular em via de circulação local poderia vir a permitir um outro tipo de escoamento do trânsito local, conseguido através do nivelamento de alguns cruzamentos com, por exemplo, a criação de rotundas.

Nós continuamos a apostar na entrada em funcionamento de uma Autoridade Metropolitana que reorganize eficazmente a intermodalidade entre os transportes públicos.

 

1. Ver http://arquitecturacidade.blogspot.com/2007/10/2-circular-de-lisboa-mobilidade-e.html

2. Ver http://cdulumiar.blogs.sapo.pt/148675.html

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.