Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

.Temas

. cml(388)

. governo(157)

. telheiras(157)

. cdu(146)

. lumiar(133)

. eleições autárquicas(131)

. urbanismo(117)

. pcp(101)

. alta do lumiar(97)

. partidos políticos(96)

. segurança(94)

. orçamento(93)

. carnide(84)

. pev(83)

. trabalho(83)

. desemprego(77)

. saúde(76)

. trânsito(74)

. sindicatos(70)

. economia(68)

. todas as tags

.Pesquisar neste blogue

 

.Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
18
19
23
24
29
30
31

.Artigos recentes

. Gestão incompetente, estr...

. A comunicação social é um...

. Apontamentos insuficiente...

. Notas sobre a sessão de c...

. Cínicos e desprezíveis

. Assembleia da ´República ...

. 26 Março - Manifestação N...

. Festa do AVANTE promove «...

. Ensino Profissional em Po...

. O movimento associativo p...

. Realizou-se a Assembleia ...

. Que política é esta?

. Orçamento do Estado para ...

. 13 Março - Assembleia da ...

. Acção Nacional dia 16 – “...

. 18 Março - Inauguração da...

. CML - Segunda Circular e ...

. 100 anos, 100 acções do P...

. Um grande Comício no Aniv...

. Câmara de Lisboa: Grandes...

. Taxas na Cidade de Lisboa...

. ...

. Lutar: A resposta dos tra...

. Obras na escola pré-fabri...

. CT Lumiar - Almoço comemo...

. PCP contacta trabalhadore...

. 6 Março - Comicio Anivers...

. REÚNE EM ÉVORA O PRÓXIMO ...

. CML - Orçamento participa...

. PCP apresenta na Assemble...

. Requerimento sobre o Bair...

. O TRATADO DO GRANDE CAPIT...

. Injustiça nas leis, (in)j...

. Medidas do Governo são in...

. Desemprego e Pensões a re...

. LINHAS DE ALTA TENSÃO - O...

. HOJE NO COLISEU - A homen...

. PCP: Em defesa da Saúde p...

. 27 Novembro, O Capital Re...

. 4 Dezembro - Homenagem a ...

. 25 Novembro, Debate promo...

. A RESPOSTA NECESSÁRIA E I...

. PCP quer reduzir desigual...

. O salto à Vara

. Aumento do Salário Mínimo...

. Dívidas à Segurança Socia...

. Combate à corrupção em di...

. Associação Iúri Gagárin p...

. Despedimentos e encerrame...

. O Sr. Governador

.Arquivos

. Março 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

.Ligações

Quinta-feira, 17 de Julho de 2008

AIL apresenta propostas para o problema da habitação - Escalada dos preços e do endividamento

A Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL) alerta para a preocupante situação de milhares de famílias que se encontram em crescente dificuldade.

«De facto, face à escalada dos encargos com a habitação que adquiriram, resultante do aumento sucessivo das taxas de juro e que, tudo indica, continuarão a crescer, muitos milhares de famílias vivem dias angustiantes para manterem o pagamento das prestações mensais da sua habitação», adverte a AIL, exigindo, do Governo, apoio «às famílias de menores recursos e com um índice de endividamento acima do aceitável, resultante da aquisição de habitação própria, antes que o incumprimento atinja níveis de difícil intervenção e solução».
Em nota à comunicação social, a associação recorda ainda que as políticas de habitação seguidas durante os últimos 30 anos, promovem a aquisição de habitação própria de qualquer maneira e sem que tal correspondesse à sustentabilidade económica das famílias, de que resultou, por um lado, o endividamento excessivo das famílias em geral, incluindo muitas com recursos insuficientes para os compromissos de tal monta e prazo de amortização, e, por outro, aumentando para níveis anteriormente impensáveis os lucros dos bancos e das seguradoras.
«É, portanto, também mais que tempo de o sistema financeiro reduzir as suas margens e os seus lucros, diminuindo os encargos que impedem sobre as prestações de amortização do crédito concedido para aquisição de habitação própria, para além da medida de prorrogação dos prazos contratuais que, embora aliviando a pressão de momento, não deixa de manter o essencial do problema porquanto o esforço das famílias apenas é prolongado e só aparentemente aliviado», defende a AIL.
Para ultrapassar esta grave situação, a associação de inquilinos propõe que o Governo reduza o «IMI sobre os fogos destinados a habitação própria e permanente», aumente «a dedução, em sede de IRS, do montante das amortizações dos créditos para habitação própria e permanente, designadamente para as famílias de menores rendimentos» e bonifique «as taxas de juro do crédito à habitação às famílias de menores recursos e excessivamente endividadas em resultado desse crédito».
O Estado deverá ainda reduzir, ou mesmo eliminar, «as muitas isenções de IMI, podendo criar-se diversos escalonamentos para o efeito» e incluir, nas deduções em sede de IRS, «o valor de todas as rendas habitacionais, independentemente do ano de celebração do contrato de arrendamento».

 

publicado por teresa roque às 12:18
Link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos

.Participar

. Participe neste blogue