Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

.Temas

. cml(388)

. governo(157)

. telheiras(157)

. cdu(146)

. lumiar(133)

. eleições autárquicas(131)

. urbanismo(117)

. pcp(101)

. alta do lumiar(97)

. partidos políticos(96)

. segurança(94)

. orçamento(93)

. carnide(84)

. pev(83)

. trabalho(83)

. desemprego(77)

. saúde(76)

. trânsito(74)

. sindicatos(70)

. economia(68)

. todas as tags

.Pesquisar neste blogue

 

.Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
18
19
23
24
29
30
31

.Artigos recentes

. Gestão incompetente, estr...

. A comunicação social é um...

. Apontamentos insuficiente...

. Notas sobre a sessão de c...

. Cínicos e desprezíveis

. Assembleia da ´República ...

. 26 Março - Manifestação N...

. Festa do AVANTE promove «...

. Ensino Profissional em Po...

. O movimento associativo p...

. Realizou-se a Assembleia ...

. Que política é esta?

. Orçamento do Estado para ...

. 13 Março - Assembleia da ...

. Acção Nacional dia 16 – “...

. 18 Março - Inauguração da...

. CML - Segunda Circular e ...

. 100 anos, 100 acções do P...

. Um grande Comício no Aniv...

. Câmara de Lisboa: Grandes...

. Taxas na Cidade de Lisboa...

. ...

. Lutar: A resposta dos tra...

. Obras na escola pré-fabri...

. CT Lumiar - Almoço comemo...

. PCP contacta trabalhadore...

. 6 Março - Comicio Anivers...

. REÚNE EM ÉVORA O PRÓXIMO ...

. CML - Orçamento participa...

. PCP apresenta na Assemble...

. Requerimento sobre o Bair...

. O TRATADO DO GRANDE CAPIT...

. Injustiça nas leis, (in)j...

. Medidas do Governo são in...

. Desemprego e Pensões a re...

. LINHAS DE ALTA TENSÃO - O...

. HOJE NO COLISEU - A homen...

. PCP: Em defesa da Saúde p...

. 27 Novembro, O Capital Re...

. 4 Dezembro - Homenagem a ...

. 25 Novembro, Debate promo...

. A RESPOSTA NECESSÁRIA E I...

. PCP quer reduzir desigual...

. O salto à Vara

. Aumento do Salário Mínimo...

. Dívidas à Segurança Socia...

. Combate à corrupção em di...

. Associação Iúri Gagárin p...

. Despedimentos e encerrame...

. O Sr. Governador

.Arquivos

. Março 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

.Ligações

Sábado, 26 de Julho de 2008

Que futuro para a política de saúde

As questões de saúde e bem-estar das populações são preocupações institucionais historicamente recentes e estão indissociavelmente ligadas ao desenvolvimento das forças produtivas e às relações de produção, aos compromissos dos sistemas políticos e em particular à intervenção dos produtores. O saber médico e os progressos técnicos e científicos da prática médica são parte integrante do grande sistema da saúde nacional e internacional.

Na verdade as preocupações com a saúde e o bem-estar das populações têm evoluído a par do valor social e humano que os trabalhadores têm alcançado na sua longa e permanente acção pela sua emancipação e autonomia. Fácil é perceber que a saúde dos produtores está intimamente ligado ao valor do seu trabalho (…)
Só depois da Segunda Grande Guerra e particularmente com o criação do Serviço Nacional de Saúde Inglês se generaliza o conceito do direito à saúde dos povos e se organiza um sistema que concretize tal compromisso do estado, correspondendo também neste campo ao exemplo posto em marcha pelos países socialistas. De notar que é de 1949 o aparecimento da Organização Mundial da Saúde (OMS)
Doravante estes dois modelos tipo chamados de Bismarkiano e de Beveridgiano vão orientar as opções que os diversos estados vão tomando até à presente actualidade.
O primeiro orientado essencialmente para a prestação de cuidados médicos aos beneficiários e suas famílias, financiado por seguros patronais com ou sem contributo dos trabalhadores, mas sempre incluídos nos custos da mão-de-obra. Em algumas situações esta modalidade pode assumir a forma de seguro social alargado abrangendo toda a população. Foi este modelo o adoptado pelo regime fascista em Portugal, nos anos quarenta, com a criação dos serviços médicos sociais nas caixas de previdência. Não era um sistema integrado nem universal. Os servidores do Estado tinham um sistema alternativo tipo seguro social suportado em grande parte pelo erário público.
O segundo modelo de organização de serviços tipo SNS foi o adoptado pela revolução de Abril de 1974, inscrito na constituição de 1975 e plasmado na legislação desde 1979, como global, universal e gratuito. Integraram a nova estrutura o sistema hospitalar incipiente estruturado na década de sessenta, os serviços médicos sociais, as chamadas caixas, os serviços de saúde pública incluindo o instituto maternal e ainda as instalações de saúde das misericórdias.
É nesta amálgama de estruturas muito complexa que se vem a desenvolver o projecto inovador do Serviço Nacional de Saúde que soube ultrapassar, com algum êxito comprovado, os múltiplos problemas e dificuldades, apesar de desde sempre ter que enfrentar muitos adversários e detractores internos e externos, a maior parte das vezes promovidos ou facilitados pelos diversos governos.
Mas o SNS está aí. Atacado, pervertido, sangrado, capturado mas ainda resiste o que mostra a sua adequação à realidade nacional. Para uma política necessária no presente e no futuro o que temos? O que precisamos? Quais os perigos e as falácias em curso? Qual a urgência do combate pela política de saúde nacional e defesa do SNS? (…)
 
Ler Carlos Silva Santos, Médico de Saúde Pública, Professor Universitário e ex-candidato a Bastonário da Ordem dos Médicos IM Seara Nova nº 1074, de 2008. Ver http://cdulumiar.blogs.sapo.pt/288355.html
publicado por Sobreda às 01:08
Link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos

.Participar

. Participe neste blogue