Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

A saúde no Governo está doente

Sobreda, 09.08.08
As Unidades da Saúde Familiares (USF) servem para mascarar a degradação e o desmantelamento do Serviço Nacional de Saúde. Com efeito, os trabalhadores que foram aliciados para passarem a trabalhar nas USF, saíram dos Centros de Saúde e não foram substituídos.
Em resultado disso, os trabalhadores que se mantiveram nos Centros de Saúde passaram a ter o seu trabalho multiplicado, chegando a níveis humanamente incomportáveis. Esta falta gritante de pessoal transformou para pior o dia-a-dia destes trabalhadores uma vez que os serviços de atendimento “entopem” e os utentes, muitas vezes não entendem que a culpa não é do trabalhador, repetindo-se infelizes episódios de ameaças e agressões aos trabalhadores.
Esta realidade, aliada a toda a instabilidade que actualmente se vive na Administração Pública, decorrentes das políticas que estimulam a precariedade, a prepotência e arbitrariedade das chefias, a insegurança e a ameaça de despedimentos, torna insustentável a situação dos trabalhadores dos Centros de Saúde.
A título de exemplo, esta reforma do Governo para os Cuidados de Saúde Primários (unidades de saúde familiares) está a gerar o caos no funcionamento do Centro de Saúde de Marvila, avisou, dia 23 de Julho, o Sindicato dos Trabalhadores da Função Pública do Sul e Açores.
Na Unidade de Saúde Familiar dos Lóios há 500 utentes para 5 médicos, 4 enfermeiros e 5 funcionários administrativos. Parte destes funcionários foram transferidos do centro de saúde de Marvila que, para socorrer 55 mil utentes, ficou com 20 médicos, 11 enfermeiros e 8 administrativos.
No atendimento aos utentes, durante o período de férias, um único administrativo desempenha as funções de quatro postos de trabalho. E os utentes que desesperem.