Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

O coelhinho da Páscoa e as mudanças de posição

Sobreda, 19.08.08
A Câmara (de Lisboa) deve autorizar demolições nas zonas antigas ou deve obrigar à preservação dos edifícios?
- Ainda não conseguimos encontrar um equilíbrio entre a demolição e a ‘mumificação da avó’, que é a preservação do que já não faz sentido. A substituição de um edifício por outro devia obedecer às características morfológicas da zona em que ele se insere. Na Praça de Londres, por exemplo, e nas Avenidas Novas, os edifícios a substituir deviam ter o mesmo tipo de vãos, estreitos e altos, a mesma lógica em termos de varandas e o mesmo tipo de volumetria e de leitura. Não têm que ser ‘pastiches’. Manter o ADN das Avenidas Novas seria isso. O que choca é quando se permite a substituição de edifícios velhos pelas chamadas obras de autor, que não estão integradas no local onde vão surgir. É mau urbanismo.
O que fez o PSD mudar de posição em relação a autorizar obras nos edifícios da Baixa?
- Não mudámos. O Plano Director Municipal proibia tudo o que não fossem obras de recuperação. Acontece que alguns edifícios estão em ruína iminente e vulneráveis ao fogo, e este instrumento não permitia reabilitá-los com casas de banho e elevadores, por exemplo. Era um perigo, e a segurança das pessoas está em primeiro lugar.
Mas foi o seu partido que aprovou o projecto (para o Largo do Rato 1)
- (O PSD) Falhou aí uma análise da situação do ponto de vista do urbanismo. Na altura, transmiti o meu desagrado à vereadora do Urbanismo. O que me choca é a volumetria, não a arquitectura (…)
E o papel (de Santana Lopes) em processos obscuros como o do Parque Mayer?
- Não foi ele que concretizou os negócios imobiliários, e até veio dizer mais tarde que tinha algumas dúvidas em relação ao processo e por isso não tinha avançado 2.
 
Nota: Era uma vez um Pai Natal que trazia um doce ao coelhinho da Páscoa… (Há quem acredite).