Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

Falsos empregados com desemprego certo

Sobreda, 23.08.08

Apesar da aposta do Governo na formação profissional, não é por este motivo que a taxa de desemprego está a descer, visto o número de ‘falsos empregados’ poder já ser superior a 100 mil. Este é o universo de pessoas em formação profissional remunerada e que, por isso, não são consideradas desempregadas à luz dos critérios usados pelo Instituto Nacional de Estatística.

Esta regra não é nova. No entanto, se estes ‘falsos empregados’ fossem contabilizados como desempregados, a taxa oficial andaria à volta dos 9%, bem acima dos cerca de 7% em que está actualmente 1.
Por estes motivos, o PCP vai promover uma campanha nacional contra as alterações ao Código do Trabalho que visa “a denúncia da política de direita do PS” e a mobilização dos trabalhadores contra a precariedade e os baixos salários.
A campanha será lançada na Festa do Avante!, entre 5 e 7 de Setembro na Quinta da Atalaia, Seixal, e “implicará milhares de iniciativas” junto das populações visando “o esclarecimento dos trabalhadores” para uma “forte resistência à aplicação do Código do Trabalho”.
“O país não precisa de uma proposta que acrescentará, se for aprovada, mais exploração àquilo que já existe”, afirmou um membro da comissão política do partido.
O dirigente comunista considerou que o primeiro-ministro revelou “uma total insensibilidade” ao “atirar foguetes pela redução sazonal” do desemprego. “A propaganda pode ser muita mas não altera a realidade da grave situação do país, do condicionamento do seu desenvolvimento e do agravamento da desigualdade injustiças sociais”, criticou.
Para já, até Outubro, o PCP vai realizar debates, contactos com a população, acções de rua e comícios para “fazer uma forte pressão junto do governo e do capital para uma ruptura” contra as propostas do código laboral 2.
 

2. Ver http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Interior.aspx?content_id=983102