Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

Hospitais sem plano de emergência

Sobreda, 28.08.08
A Comissão Nacional de Protecção Civil aprovou, recentemente, uma directiva que obriga os hospitais e outros organismos a rever os seus instrumentos de prevenção nos próximos dois anos.
No entanto, dos 96 hospitais vistoriados pela Inspecção-Geral das Actividades em Saúde (IGAS), 43 não possuem planos de emergência internos para fazer face a situações de incêndio. Esta é uma das conclusões do relatório de 2007 da IGAS.
Quando o serviço de cirurgia do Hospital de São José, em Lisboa, sofreu um incêndio na última 5ª fª, houve quem tivesse alegado que o plano de emergência não saía do papel há meia década, situação rapidamente desmentida pela administração.
Mas, a verdade é que em apenas 53 dos hospitais inspeccionados existem planos de emergência. Porém, desse lote apenas 14 têm o seu plano aprovado pela Autoridade Nacional de Protecção Civil, como está na lei, e apenas três confirmaram terem sido alvo de vistorias pelos bombeiros. Em apenas nove hospitais foram testados esses planos, através da realização de simulacros.
Em declarações ao jornal Público, o presidente da Liga de Bombeiros (LNB), Duarte Caldeira, lamentou que, na maior parte dos estabelecimentos, os planos de emergência não passem de “documentos burocráticos, desconhecidos pela maioria das pessoas a que se dirigem”.
Sobre os planos que efectivamente existem, o presidente da LNB assegurou que os mesmos “não são testados, nem treinados”, acrescentando que “pode haver muitas reclamações num hospital, mas ninguém reclama porque há um extintor mal colocado ou faltam as luzes de emergência”.
Os números são mesmo “piores do que pensava” e, à luz desta nova realidade, já é preciso um “plano de contingência”. “Os hospitais têm de garantir a segurança de todos os que lá estão. Neste domínio, parece que estamos num país terceiro-mundista”, comentou.