Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

.Temas

. cml(388)

. governo(157)

. telheiras(157)

. cdu(146)

. lumiar(133)

. eleições autárquicas(131)

. urbanismo(117)

. pcp(101)

. alta do lumiar(97)

. partidos políticos(96)

. segurança(94)

. orçamento(93)

. carnide(84)

. pev(83)

. trabalho(83)

. desemprego(77)

. saúde(76)

. trânsito(74)

. sindicatos(70)

. economia(68)

. todas as tags

.Pesquisar neste blogue

 

.Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
18
19
23
24
29
30
31

.Artigos recentes

. Gestão incompetente, estr...

. A comunicação social é um...

. Apontamentos insuficiente...

. Notas sobre a sessão de c...

. Cínicos e desprezíveis

. Assembleia da ´República ...

. 26 Março - Manifestação N...

. Festa do AVANTE promove «...

. Ensino Profissional em Po...

. O movimento associativo p...

. Realizou-se a Assembleia ...

. Que política é esta?

. Orçamento do Estado para ...

. 13 Março - Assembleia da ...

. Acção Nacional dia 16 – “...

. 18 Março - Inauguração da...

. CML - Segunda Circular e ...

. 100 anos, 100 acções do P...

. Um grande Comício no Aniv...

. Câmara de Lisboa: Grandes...

. Taxas na Cidade de Lisboa...

. ...

. Lutar: A resposta dos tra...

. Obras na escola pré-fabri...

. CT Lumiar - Almoço comemo...

. PCP contacta trabalhadore...

. 6 Março - Comicio Anivers...

. REÚNE EM ÉVORA O PRÓXIMO ...

. CML - Orçamento participa...

. PCP apresenta na Assemble...

. Requerimento sobre o Bair...

. O TRATADO DO GRANDE CAPIT...

. Injustiça nas leis, (in)j...

. Medidas do Governo são in...

. Desemprego e Pensões a re...

. LINHAS DE ALTA TENSÃO - O...

. HOJE NO COLISEU - A homen...

. PCP: Em defesa da Saúde p...

. 27 Novembro, O Capital Re...

. 4 Dezembro - Homenagem a ...

. 25 Novembro, Debate promo...

. A RESPOSTA NECESSÁRIA E I...

. PCP quer reduzir desigual...

. O salto à Vara

. Aumento do Salário Mínimo...

. Dívidas à Segurança Socia...

. Combate à corrupção em di...

. Associação Iúri Gagárin p...

. Despedimentos e encerrame...

. O Sr. Governador

.Arquivos

. Março 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

.Ligações

Quinta-feira, 4 de Setembro de 2008

Moradores entaipados nos seus próprios terraços

Os moradores das Rua Mateus Vicente e José Maria Nicolau, em São Domingos de Benfica, ganharam um vizinho novo e indesejado: o edifício que vai alojar a sede do grupo Cofina e que foi construído mesmo junto às suas casas.

O alvará inicial do nº 11 da Rua Mateus Vicente tem já duas décadas, mas em 2003 a vereadora do urbanismo na altura emitiu novo alvará, alterando-lhe o uso. Para agravar a situação, o actual executivo camarário viria a confirmar o projecto já em Janeiro de 2008 (aprovado apenas com 6 votos do PS, 6 abstenções e 4 votos contra, incluindo os da CDU).
A representante dos moradores, que ontem à noite marcou presença na reunião descentralizada da CML em Carnide, afirmou que os moradores estão preocupados com a “perda de qualidade de vida, de privacidade, de salubridade, de vista, falta de acessos de segurança”.
Até agora, os contactos com a autarquia não têm surtido efeito: depois de um primeiro parecer da Polícia Municipal que determinava o embargo da obra, após uma inspecção pedida pelos moradores, o gabinete do vereador do Urbanismo acabou por indeferir o embargo, assegurando que tudo no projecto estava a ser cumprido.
Mas os moradores não têm dúvidas que “aqui há um problema de urbanismo. Se é possível fazer isto desta maneira, imagino o que não será possível construir em Lisboa”, lamentam. “Como é que é possível encostar desta maneira um prédio a outro, com a construção feita mesmo até ao limite do terreno disponível?” questionam, “frustrados e zangados”.
“Temos poucas expectativas que a Câmara reconheça o que está aqui errado. Resta-nos a via legal, perceber até onde podemos ir. Defendemos um redimensionamento da obra em altura, em volumetria. Queremos que seja destruído um andar e que instalem um jardim no cimo, queremos que respeitem as regras mais básicas do urbanismo”, afirmam.
Nos terraços dos vários lotes da rua, a única vista possível passou a ser a do edifício em construção, de onde os moradores afirmam que já caíram tábuas e outros equipamentos de construção, o que obrigou à colocação de uma rede. Dezenas de habitações têm agora a poucos metros outro edifício que cresceu em poucos meses que irá albergar centenas de trabalhadores, uma nova vizinhança que trabalhará diariamente a poucos metros das janelas dos habitantes da Rua Martins Vicente.
Acontece que “a cota do solo está quatro metros acima do chão”, pelo que o prédio tapa a vista até ao quinto andar de um dos lotes já existentes. Devido ao desnível do terreno, o edifício em construção, que tem quatro andares acima do solo, pouco ultrapassa a altura do terraço num dos extremos da rua, mas do outro lado, os moradores do terraço têm em frente uma altura de três andares.
O edifício em construção, onde serão instaladas as empresas do grupo de comunicação social Cofina, veio “tapar a luz do Sol e fechou completamente os blocos de prédios, porque não tem qualquer acesso de segurança, em caso de incêndio”. O edifício vai ter também um supermercado, com necessidade de montar exaustores e escapes que não se sabe onde vão ficar.
Outro aspecto negativo da construção é a desvalorização das casas já existentes, estimando os moradores em “30 a 40%” a perda de valor em casas que custaram “entre 300 mil e 400 mil euros” 1.
Os moradores, que ontem à noite distribuíram aos presentes uma exposição sobre o caso, referiram ainda que, após vistoria à obra, a Polícia Municipal propôs o seu embargo, mas o vereador do Urbanismo negou-o, tendo declarado que “neste momento não há nenhum argumento para o embargo” 2, procurando ainda esclarecer que os serviços lhe tinham dito que a betonagem das lajes tinham sido suspensas.
Tal afirmação, que levantou de imediato na sala um enorme alarido e coro de protestos, foi de imediato desmentida por todos os moradores. Pressionado, o presidente da CML acabaria por prometer uma nova vistoria para hoje de manhã.
 
1. Ver http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?article=361605&visual=26&rss=0

2. Ver http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1341517

Temas: ,
publicado por Sobreda às 01:57
Link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos

.Participar

. Participe neste blogue