Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

Administração da Gebalis acusada de peculato e administração danosa

Sobreda, 23.10.08
Segundo uma nota do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa ontem emitida, foram extraídas certidões para “procedimentos criminais autónomos”, proferido um “arquivamento parcial” e “deduzida acusação contra três arguidos, imputando-se, a cada um deles, em concurso real, um crime de peculato, e um crime de administração danosa”.
Os arguidos agora acusados pelo MP são o ex-presidente da empresa municipal e dois vogais do conselho de administração.
O caso prende-se com a gestão da Gebalis, a empresa municipal de gestão dos bairros municipais de Lisboa, no período de 2006/2007. O inquérito esteve a cargo da 9ª secção do DIAP de Lisboa e da Direcção Central de Investigação e Combate à Criminalidade Económico-Financeira (DCICCEF) da PJ.
A actual vereadora da Habitação na CML, do PS, que tutela a empresa, revelou em Março a realização de uma auditoria à gestão do conselho de administração anterior. No mandato anterior, o então vereador do PSD criara uma comissão para avaliar a Gebalis quando assumiu o pelouro da Habitação, ao suceder à vereadora do CDS.
A Comissão, que agora avaliou em especial as obras lançadas entre 2001 e 2006 pela Gebalis, durante a gestão PSD / CDS, elaborou um relatório que apontava para má gestão e descontrolo dos custos das empreitadas.
Depois deste relatório, o então presidente da autarquia (independente eleito pelo PSD), ordenou ao Departamento de Auditoria Interna da CML que elaborasse um relatório sobre a actividade da Gebalis, em que ouvisse os responsáveis da empresa e realizasse o contraditório que a primeira avaliação não tinha efectuado.
Este Departamento analisou as situações mencionadas no relatório da comissão e considerou que alguns factos descritos no documento careciam de “fundamento quanto à sua irregularidade e/ou são manifestamente inconsequentes”, enquanto outros foram confirmados pelos auditores, de acordo com as conclusões do documento.
O processo ficara entretanto em ‘banho-maria’ até que, finalmente, o Ministério Público acusou três arguidos, no processo da Gebalis, por crime de peculato e de administração danosa.
 
Ver Lusa doc. nº 8922058, 22/10/2008 - 17:39 e http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1347120

2 comentários

Comentar post