Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

.Temas

. cml(388)

. governo(157)

. telheiras(157)

. cdu(146)

. lumiar(133)

. eleições autárquicas(131)

. urbanismo(117)

. pcp(101)

. alta do lumiar(97)

. partidos políticos(96)

. segurança(94)

. orçamento(93)

. carnide(84)

. pev(83)

. trabalho(83)

. desemprego(77)

. saúde(76)

. trânsito(74)

. sindicatos(70)

. economia(68)

. todas as tags

.Pesquisar neste blogue

 

.Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
18
19
23
24
29
30
31

.Artigos recentes

. Gestão incompetente, estr...

. A comunicação social é um...

. Apontamentos insuficiente...

. Notas sobre a sessão de c...

. Cínicos e desprezíveis

. Assembleia da ´República ...

. 26 Março - Manifestação N...

. Festa do AVANTE promove «...

. Ensino Profissional em Po...

. O movimento associativo p...

. Realizou-se a Assembleia ...

. Que política é esta?

. Orçamento do Estado para ...

. 13 Março - Assembleia da ...

. Acção Nacional dia 16 – “...

. 18 Março - Inauguração da...

. CML - Segunda Circular e ...

. 100 anos, 100 acções do P...

. Um grande Comício no Aniv...

. Câmara de Lisboa: Grandes...

. Taxas na Cidade de Lisboa...

. ...

. Lutar: A resposta dos tra...

. Obras na escola pré-fabri...

. CT Lumiar - Almoço comemo...

. PCP contacta trabalhadore...

. 6 Março - Comicio Anivers...

. REÚNE EM ÉVORA O PRÓXIMO ...

. CML - Orçamento participa...

. PCP apresenta na Assemble...

. Requerimento sobre o Bair...

. O TRATADO DO GRANDE CAPIT...

. Injustiça nas leis, (in)j...

. Medidas do Governo são in...

. Desemprego e Pensões a re...

. LINHAS DE ALTA TENSÃO - O...

. HOJE NO COLISEU - A homen...

. PCP: Em defesa da Saúde p...

. 27 Novembro, O Capital Re...

. 4 Dezembro - Homenagem a ...

. 25 Novembro, Debate promo...

. A RESPOSTA NECESSÁRIA E I...

. PCP quer reduzir desigual...

. O salto à Vara

. Aumento do Salário Mínimo...

. Dívidas à Segurança Socia...

. Combate à corrupção em di...

. Associação Iúri Gagárin p...

. Despedimentos e encerrame...

. O Sr. Governador

.Arquivos

. Março 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

.Ligações

Segunda-feira, 27 de Outubro de 2008

Gestores estoiram milhares de euros em almoços e gorjetas

A empresa municipal responsável pela gestão dos bairros sociais - Gebalis, EM -, que tem, neste momento, a gestão de cerca de 20 mil casas de habitação social, apresentou 4,97 milhões de euros de prejuízo em 2006. Mas não é só por este motivo que a sua gestão tem levantado as maiores das polémicas.

O relatório da Polícia Judiciária (PJ) sobre a gestão da Gebalis, entre Fevereiro de 2006 e Outubro de 2007, é devastador para os então presidente e vogais da empresa responsável pela gestão dos bairros sociais da CML, a habitação dos mais desfavorecidos 1.

 

 

E nem a situação altamente deficitária da empresa conseguiu demover os membros do conselho de administração da Gebalis de despesas consideradas pelo Ministério Público inúteis e excessivas, como almoços e jantares em restaurantes de luxo. Os cartões de crédito que uma das administradoras tinha em sua posse pagaram um Regime Jurídico das Empreitadas, é certo, mas também livros e guias de viagens e vários DVD.
Uma das ex-administradoras (nomeada para o cargo pelo PSD) já veio na 6ª fª dizer que são infundadas e injustas as acusações de peculato e gestão danosa feitas pelo Ministério Público a si e a dois colegas seus responsáveis pela Gebalis em 2006 e 2007.
Mas só ela, nos 20 meses em que foi vogal, gastou à empresa perto de 34 mil euros em viagens e hotéis. De acordo com a investigação, algumas dessas deslocações (Cracóvia, Belfast, Dublin, Marraquexe, Viena e Sevilha) foram feitas na companhia do namorado. Em Marrocos, a administradora ficou quatro noites num hotel que cobrava 254 euros de diária.
Os investigadores também descobriram que, graças aos conhecimentos que uma colaboradora da Gebalis tinha numa agência de viagens, a agora arguida conseguia que a empresa municipal pagasse parte das passagens e estadias dos seus acompanhantes particulares. De resto, segundo a investigação, a administradora realizou algumas viagens no seu período de férias, prática também usada pelos seus dois colegas 2.
Pelo que, suspeitos da prática dos crimes de abuso de poder, administração danosa, participação económica em negócio e peculato, os três ex-administradores da Gebalis foram acusados na 5ª fª passada. Só em restaurantes foi gasto, em 2006 e 2007, um total de 64.413 euros em 621 refeições. E o clima de despesismo compulsivo não se fica por aqui. Em 2006, a Gebalis fechou as contas com um prejuízo de 4,97 milhões de euros 1.
Aliás, o documento da PJ é peremptório: “Os membros do conselho de administração do período compreendido entre Fevereiro de 2006 e Outubro de 2007 (…) utilizaram os meios financeiros que tiveram ao seu dispor, adquirindo bens de luxo (gourmet), aquisição de DVD com fins lúdicos, aquisição de livros, não só técnicos, mas de romances e ficção, e CD de música, resultando na utilização de avultadas quantias em dinheiro para seu usufruto pessoal”, para além de viagens, por usufruírem de cartões de crédito daquela empresa municipal, apesar da “omissão legal e dos próprios Estatutos da Gebalis” sobre a atribuição dessa regalia aos membros da administração.
Ao todo, em 2006 e 2007, foram gastos 64.413 euros em restaurantes, com “o valor médio por refeição a atingir a quantia de 173 euros num dos casos”. O pior é que havia “pagamentos em refeições de valores elevados em restaurantes de luxo com a entrega de gratificações, não existindo qualquer indicação quer do âmbito da despesa quer das entidades e/ou funcionários da Gebalis que estiveram presentes”.
Outro dos membros da Gebalis, que é também arguido, encontra-se suspeito do crime de abuso de poder e de peculato por, “em razão das suas funções como director de Engenharia na Gebalis, e às expensas da mesma”, ter ordenado a funcionários para que estes, durante o seu horário de trabalho, realizassem obras na sua residência particular 1.
 
1. Ver www.correiodamanha.pt/noticia.aspx?contentid=AA85AC01-72EC-4D88-B872-259EFCA8B518&channelid=00000009-0000-0000-0000-000000000009
2. Ver http://jornal.publico.clix.pt/default.asp?url=%2Fmain%2Easp%3Fdt%3D20081025%26page%3D23%26c%3DA
publicado por Sobreda às 00:15
Link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos

.Participar

. Participe neste blogue