Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

Ano novo, preços novos

Sobreda, 21.12.08

Segundo o INE, os preços caíram 0,6% em Novembro face ao mês anterior, com a taxa de inflação homóloga a desacelerar 9 décimos, para 1,4%.

A electricidade e as rendas vão aumentar mais do que a inflação prevista para 2009, ou seja, acima de 2,5%. Este será o valor máximo de referência para os aumentos nos transportes públicos e abaixo do qual vai ficar a subida dos preços das portagens das auto-estradas (2,3%). Na prática, apesar de os preços ao consumidor estarem a descer, há sectores onde isso não se reflecte nos preços realmente pagos.
O aumento das rendas, das portagens, dos transportes e da electricidade, apesar de serem preços administrativos e não dependerem só do mercado, mas também de fórmulas de cálculo específicas, registam as maiores subidas: as rendas de casa vão subir 2,8% na maior parte do País e 4,2 nos contratos mais antigos de Lisboa e Porto. A electricidade sobe 4,3%.
Neste caso, o aumento reflecte a subida dos preços dos combustíveis fósseis (petróleo e carvão), a contribuição para as energias renováveis e para a co-geração, custos que são repercutidos na factura mensal. Por outro lado, o preço a que é vendida a electricidade não reflectiu inteiramente os seus custos, o que gerou um défice tarifário de 1,27 mil milhões de euros, que serão pagos em 15 anos, por decisão do Governo.
Noutros sectores, em que os preços são ditados pelo mercado, prevê-se que os valores se mantenham, dada a crise financeira e o abrandamento do consumo. Entretanto, os sucessivos alertas do Governo para os ‘tempos difíceis’ que se avizinham começaram já a ter reflexos no consumo, com a taxa de inflação registada em Novembro a apresentar o nível mais baixo de sempre 1.
Apenas os combustíveis deverão segurar os passes sociais. Com efeito, o Governo deverá decidir “não efectuar qualquer actualização nas tarifas de transporte público em 1 de Janeiro de 2009”.
Qual a explicação? Segundo o Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, “a evolução verificada nos preços dos combustíveis nos últimos meses permite agora absorver o efeito desse congelamento como ainda fazer face aos aumentos normais derivados da inflação, justificando desta forma a manutenção do tarifário” 2.
 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.