Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

.Temas

. cml(388)

. governo(157)

. telheiras(157)

. cdu(146)

. lumiar(133)

. eleições autárquicas(131)

. urbanismo(117)

. pcp(101)

. alta do lumiar(97)

. partidos políticos(96)

. segurança(94)

. orçamento(93)

. carnide(84)

. pev(83)

. trabalho(83)

. desemprego(77)

. saúde(76)

. trânsito(74)

. sindicatos(70)

. economia(68)

. todas as tags

.Pesquisar neste blogue

 

.Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
18
19
23
24
29
30
31

.Artigos recentes

. Gestão incompetente, estr...

. A comunicação social é um...

. Apontamentos insuficiente...

. Notas sobre a sessão de c...

. Cínicos e desprezíveis

. Assembleia da ´República ...

. 26 Março - Manifestação N...

. Festa do AVANTE promove «...

. Ensino Profissional em Po...

. O movimento associativo p...

. Realizou-se a Assembleia ...

. Que política é esta?

. Orçamento do Estado para ...

. 13 Março - Assembleia da ...

. Acção Nacional dia 16 – “...

. 18 Março - Inauguração da...

. CML - Segunda Circular e ...

. 100 anos, 100 acções do P...

. Um grande Comício no Aniv...

. Câmara de Lisboa: Grandes...

. Taxas na Cidade de Lisboa...

. ...

. Lutar: A resposta dos tra...

. Obras na escola pré-fabri...

. CT Lumiar - Almoço comemo...

. PCP contacta trabalhadore...

. 6 Março - Comicio Anivers...

. REÚNE EM ÉVORA O PRÓXIMO ...

. CML - Orçamento participa...

. PCP apresenta na Assemble...

. Requerimento sobre o Bair...

. O TRATADO DO GRANDE CAPIT...

. Injustiça nas leis, (in)j...

. Medidas do Governo são in...

. Desemprego e Pensões a re...

. LINHAS DE ALTA TENSÃO - O...

. HOJE NO COLISEU - A homen...

. PCP: Em defesa da Saúde p...

. 27 Novembro, O Capital Re...

. 4 Dezembro - Homenagem a ...

. 25 Novembro, Debate promo...

. A RESPOSTA NECESSÁRIA E I...

. PCP quer reduzir desigual...

. O salto à Vara

. Aumento do Salário Mínimo...

. Dívidas à Segurança Socia...

. Combate à corrupção em di...

. Associação Iúri Gagárin p...

. Despedimentos e encerrame...

. O Sr. Governador

.Arquivos

. Março 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

.Ligações

Sábado, 27 de Dezembro de 2008

Dívidas do Estado a fornecedores

O Estado devia, em 2007, mais de 1,5 mil milhões de euros a 54 fornecedores de bens e serviços, de acordo com o parecer do Tribunal de Contas (TC) sobre a Conta Geral do Estado (CGE) de 2007. Um valor que sobe aos 1,6 mil milhões quando se soma as dívidas de mais 29 entidades, cujos créditos são inferiores a 10 milhões de euros.

O TC voltou a inquirir os credores, já este ano, a 30 de Junho, e conclui que o Estado ainda não tinha pago cerca de 703 milhões de euros. No total, as dívidas não-financeiras do Estado a fornecedores ultrapassaram, em 2007, os dois mil milhões de euros, dos quais 1502,8 milhões dizem respeito a entidades do sector da Saúde.
O prazo médio de pagamentos, para o conjunto de serviços que integram o Serviço Nacional de Saúde, foi de 76 dias para as entidades do sector público administrativo e de 212 dias para as entidades do sector empresarial do Estado, de acordo com o parecer do Tribunal de Contas.
Esta radiografia às dívidas do Estado não é exaustiva, pois não abrange a totalidade das entidades do sector público administrativo (Administração Central), nem dívidas inferiores a cinco mil euros por credor, mas permite determinar o ‘top 5’ dos gastos ministeriais.
O Ministério da Saúde responde por 74,9% do total das dívidas, 1.502,8 milhões de euros. O Ministério das Obras Públicas por 1.17,8 milhões de euros (5,9% do total das dívidas). O Ministério das Finanças por 80,1 milhões, o que representa 4% das dívidas. Com 73,2 milhões de euros em dívida encontra-se o Ministério da Defesa. No Ministério do Ambiente a factura que ainda está pendente representa 68,3 milhões de euros (3,4% da dívida).
 
Ver www.correiodamanha.pt/noticia.aspx?contentid=68433F75-FB25-447C-A574-8D5C667BB499&channelid=00000009-0000-0000-0000-000000000009
publicado por Sobreda às 00:57
Link do artigo | Adicionar aos favoritos
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

.Participar

. Participe neste blogue