Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

.Temas

. cml(388)

. governo(157)

. telheiras(157)

. cdu(146)

. lumiar(133)

. eleições autárquicas(131)

. urbanismo(117)

. pcp(101)

. alta do lumiar(97)

. partidos políticos(96)

. segurança(94)

. orçamento(93)

. carnide(84)

. pev(83)

. trabalho(83)

. desemprego(77)

. saúde(76)

. trânsito(74)

. sindicatos(70)

. economia(68)

. todas as tags

.Pesquisar neste blogue

 

.Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
18
19
23
24
29
30
31

.Artigos recentes

. Gestão incompetente, estr...

. A comunicação social é um...

. Apontamentos insuficiente...

. Notas sobre a sessão de c...

. Cínicos e desprezíveis

. Assembleia da ´República ...

. 26 Março - Manifestação N...

. Festa do AVANTE promove «...

. Ensino Profissional em Po...

. O movimento associativo p...

. Realizou-se a Assembleia ...

. Que política é esta?

. Orçamento do Estado para ...

. 13 Março - Assembleia da ...

. Acção Nacional dia 16 – “...

. 18 Março - Inauguração da...

. CML - Segunda Circular e ...

. 100 anos, 100 acções do P...

. Um grande Comício no Aniv...

. Câmara de Lisboa: Grandes...

. Taxas na Cidade de Lisboa...

. ...

. Lutar: A resposta dos tra...

. Obras na escola pré-fabri...

. CT Lumiar - Almoço comemo...

. PCP contacta trabalhadore...

. 6 Março - Comicio Anivers...

. REÚNE EM ÉVORA O PRÓXIMO ...

. CML - Orçamento participa...

. PCP apresenta na Assemble...

. Requerimento sobre o Bair...

. O TRATADO DO GRANDE CAPIT...

. Injustiça nas leis, (in)j...

. Medidas do Governo são in...

. Desemprego e Pensões a re...

. LINHAS DE ALTA TENSÃO - O...

. HOJE NO COLISEU - A homen...

. PCP: Em defesa da Saúde p...

. 27 Novembro, O Capital Re...

. 4 Dezembro - Homenagem a ...

. 25 Novembro, Debate promo...

. A RESPOSTA NECESSÁRIA E I...

. PCP quer reduzir desigual...

. O salto à Vara

. Aumento do Salário Mínimo...

. Dívidas à Segurança Socia...

. Combate à corrupção em di...

. Associação Iúri Gagárin p...

. Despedimentos e encerrame...

. O Sr. Governador

.Arquivos

. Março 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

.Ligações

Quarta-feira, 28 de Janeiro de 2009

Lisboa com falta de clínicos gerais e a situação tende a piorar

A Região de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo tem falta de médicos de Clínica Geral e de Saúde Pública e a situação tende a agravar-se.

O alerta foi dado pelo presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) que, em declarações aos jornalistas, no final da cerimónia de apresentação dos novos médicos de Medicina Geral e Familiar e de Saúde Pública, admitiu que ainda há falta de clínicos gerais apesar do aumento em relação a anos anteriores.
De acordo com os dados disponibilizados na cerimónia, o número de internos em Medicina Geral aumentou de 57 em 2008 para 76 em Janeiro de 2009 e o número de internos em Saúde Pública subiu de sete no ano passado para 11 no início deste ano. “É claramente um número ainda insuficiente relativamente às necessidades da Região de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, mas também é verdade que, comparativamente aos anos anteriores, temos um número mais significativo”.
No entender do presidente da ARSLVT, tem havido um esforço por parte do Ministério da Saúde em aumentar o número de médicos de Clínica Geral e Familiar e de Saúde Pública, mas a falta de clínicos poderá piorar.
“Ficará [pior] relativamente ao número total de médicos em exercício profissional completo tal como nós conhecemos hoje, visto que a tendência em termos demográficos é que há um aumento do envelhecimento das estruturas médicas actuais e que se agravará em termos de possibilidades de aposentações nos próximos dois três anos”, acrescentando que as zonas pior servidas são as periféricas.
“A situação agora vai, em relação ao total de médicos disponíveis no país em Medicina Geral e Familiar e Saúde Pública, agravar-se nos próximos anos, a curto prazo”. Medicina Geral e Familiar, como Saúde Pública continuam a ser as melhores opções de especialização. “É a base do sistema, é a base mais isenta, é aquela que dá maior acessibilidade, é aquela que possa dar em termos de equidade das populações os melhores resultados. É uma excelente aposta”.
 
Ver Lusa doc. nº 9251996, 26/01/2009 - 15:59
publicado por Sobreda às 00:31
Link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos

.Participar

. Participe neste blogue