Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

Faltam médicos de família

Sobreda, 29.04.09

A falta de médicos de família sente-se “em todo o território nacional e a situação vai agravar-se até 2012/2013”, alertou fonte da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARS-LVT)

Segundo o porta-voz da ARS-LVT, “o número de médicos de família é hoje insuficiente para preencher todas as necessidades dos centros de saúde e a situação não tem solução imediata e vai agudizar-se, para que as pessoas não tenham ilusões e não criem falsas expectativas”.
“E não é uma questão de poupança ou de falta de organização dos serviços. A questão é que não há neste momento em Portugal médicos suficientes para as necessidades e a situação vai agravar-se até ao ano 2012 ou 2013”, disse. Até lá, “temos de esperar que as medidas que estão a ser tomadas produzam efeitos e que novos licenciados em medicina geral familiar surjam no mercado”.
No distrito de Santarém, a situação afecta já mais de 75 mil utentes, segundo números avançados pelo responsável da organização da distrital do PCP, que manifestou “sérias preocupações” relativamente à falta de médicos de família no distrito.
Segundo afirmou, “o facto configura um problema gravíssimo”, afectando um pouco o distrito, nomeadamente concelhos como Abrantes, Constância, Alpiarça, Benavente, Coruche, Salvaterra de Magos, Torres Novas e Santarém.
O PCP comprometeu-se a tomar a iniciativa, na Assembleia da República, de propor um plano de emergência distrital, porque a situação de ruptura é eminente em vários municípios e urge tomar medidas excepcionais”.
A fonte da ARS-LVT disse que a alternativa à falta de médicos de família é que os utentes “recorram às consultas de recurso que os centros de saúde disponibilizam, em caso de situações agudas”.
Segundo afirmou, “a ARS-LVT está a estudar formas de contratação de médicos que se reformaram para que possam continuar a prestar serviço nos centros de saúde e tem contratado empresas de prestação de serviços médicos para que se possam debelar algumas das carências existentes”.
“Mas a carência de médicos de clínica geral é tal, que até estas empresas prestadoras de serviços médicos têm dificuldade em encontrar profissionais disponíveis», afirmou.