Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

.Temas

. cml(388)

. governo(157)

. telheiras(157)

. cdu(146)

. lumiar(133)

. eleições autárquicas(131)

. urbanismo(117)

. pcp(101)

. alta do lumiar(97)

. partidos políticos(96)

. segurança(94)

. orçamento(93)

. carnide(84)

. pev(83)

. trabalho(83)

. desemprego(77)

. saúde(76)

. trânsito(74)

. sindicatos(70)

. economia(68)

. todas as tags

.Pesquisar neste blogue

 

.Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
18
19
23
24
29
30
31

.Artigos recentes

. Gestão incompetente, estr...

. A comunicação social é um...

. Apontamentos insuficiente...

. Notas sobre a sessão de c...

. Cínicos e desprezíveis

. Assembleia da ´República ...

. 26 Março - Manifestação N...

. Festa do AVANTE promove «...

. Ensino Profissional em Po...

. O movimento associativo p...

. Realizou-se a Assembleia ...

. Que política é esta?

. Orçamento do Estado para ...

. 13 Março - Assembleia da ...

. Acção Nacional dia 16 – “...

. 18 Março - Inauguração da...

. CML - Segunda Circular e ...

. 100 anos, 100 acções do P...

. Um grande Comício no Aniv...

. Câmara de Lisboa: Grandes...

. Taxas na Cidade de Lisboa...

. ...

. Lutar: A resposta dos tra...

. Obras na escola pré-fabri...

. CT Lumiar - Almoço comemo...

. PCP contacta trabalhadore...

. 6 Março - Comicio Anivers...

. REÚNE EM ÉVORA O PRÓXIMO ...

. CML - Orçamento participa...

. PCP apresenta na Assemble...

. Requerimento sobre o Bair...

. O TRATADO DO GRANDE CAPIT...

. Injustiça nas leis, (in)j...

. Medidas do Governo são in...

. Desemprego e Pensões a re...

. LINHAS DE ALTA TENSÃO - O...

. HOJE NO COLISEU - A homen...

. PCP: Em defesa da Saúde p...

. 27 Novembro, O Capital Re...

. 4 Dezembro - Homenagem a ...

. 25 Novembro, Debate promo...

. A RESPOSTA NECESSÁRIA E I...

. PCP quer reduzir desigual...

. O salto à Vara

. Aumento do Salário Mínimo...

. Dívidas à Segurança Socia...

. Combate à corrupção em di...

. Associação Iúri Gagárin p...

. Despedimentos e encerrame...

. O Sr. Governador

.Arquivos

. Março 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

.Ligações

Domingo, 3 de Maio de 2009

‘Diga lá’, Jerónimo

Em conversa com jornalistas, o secretário-geral do PCP debate a crise, o trabalho e o ciclo eleitoral intenso que se aproxima.

P: Este ano comemora-se o Dia do Trabalhador numa altura em que o desemprego atinge os 8,3% e as expectativas são de que continue a subir. Como acha que isto se pode inverter?
- Todos os indicadores apontam para um agravamento da situação económica, com as consequências que se conhecem. Quanto ao desemprego e ao emprego, há três medidas que urge tomar: cuidar-se do emprego que existe, procurar criar novos postos de trabalho e fazer com que os desempregados tenham acesso ao subsídio de desemprego. O Governo PS alterou as regras para pior e hoje quase 50% dos desempregados não têm direito a ele.
Como acha que é possível, em tempo de crise, aumentar salários, distribuir subsídios de desemprego e dinamizar a economia?
- O desenvolvimento do aparelho produtivo é fundamental, tendo em conta que a esmagadora maioria das pequenas e médias empresas vivem do mercado interno e são elas que asseguram 90 por cento do emprego. Um problema que se coloca é a falta de poder aquisitivo e há uma lei económica fundamental: se as pessoas não podem comprar, as empresas não podem vender. O aumento dos salários não é apenas uma questão de justiça social, é também uma medida de alcance económico.
Outra proposta do PCP é a redução do IVA. Isso não retira receita ao Estado para apoios sociais?
- É necessário acorrer às situações sociais mais gritantes, nisso estamos todos de acordo. Mas simultaneamente precisamos de apoio concreto ao tecido produtivo. Isto é uma quadratura do círculo de que temos de sair. Se baixarem os custos da produção a nível fiscal, há mais margem para aumentar os salários. Isto não deve ser visto como despesa, não é uma despesa, é um investimento, porque é preciso que a nossa economia se desenvolva (…)
 
Ler na íntegra entrevista a Jerónimo de Sousa ao programa ‘Diga Lá Excelência’ do Público-RR-RTP2 IN http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1378012
Temas:
publicado por Sobreda às 00:28
Link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos

.Participar

. Participe neste blogue