Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

.Temas

. cml(388)

. governo(157)

. telheiras(157)

. cdu(146)

. lumiar(133)

. eleições autárquicas(131)

. urbanismo(117)

. pcp(101)

. alta do lumiar(97)

. partidos políticos(96)

. segurança(94)

. orçamento(93)

. carnide(84)

. pev(83)

. trabalho(83)

. desemprego(77)

. saúde(76)

. trânsito(74)

. sindicatos(70)

. economia(68)

. todas as tags

.Pesquisar neste blogue

 

.Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
18
19
23
24
29
30
31

.Artigos recentes

. Gestão incompetente, estr...

. A comunicação social é um...

. Apontamentos insuficiente...

. Notas sobre a sessão de c...

. Cínicos e desprezíveis

. Assembleia da ´República ...

. 26 Março - Manifestação N...

. Festa do AVANTE promove «...

. Ensino Profissional em Po...

. O movimento associativo p...

. Realizou-se a Assembleia ...

. Que política é esta?

. Orçamento do Estado para ...

. 13 Março - Assembleia da ...

. Acção Nacional dia 16 – “...

. 18 Março - Inauguração da...

. CML - Segunda Circular e ...

. 100 anos, 100 acções do P...

. Um grande Comício no Aniv...

. Câmara de Lisboa: Grandes...

. Taxas na Cidade de Lisboa...

. ...

. Lutar: A resposta dos tra...

. Obras na escola pré-fabri...

. CT Lumiar - Almoço comemo...

. PCP contacta trabalhadore...

. 6 Março - Comicio Anivers...

. REÚNE EM ÉVORA O PRÓXIMO ...

. CML - Orçamento participa...

. PCP apresenta na Assemble...

. Requerimento sobre o Bair...

. O TRATADO DO GRANDE CAPIT...

. Injustiça nas leis, (in)j...

. Medidas do Governo são in...

. Desemprego e Pensões a re...

. LINHAS DE ALTA TENSÃO - O...

. HOJE NO COLISEU - A homen...

. PCP: Em defesa da Saúde p...

. 27 Novembro, O Capital Re...

. 4 Dezembro - Homenagem a ...

. 25 Novembro, Debate promo...

. A RESPOSTA NECESSÁRIA E I...

. PCP quer reduzir desigual...

. O salto à Vara

. Aumento do Salário Mínimo...

. Dívidas à Segurança Socia...

. Combate à corrupção em di...

. Associação Iúri Gagárin p...

. Despedimentos e encerrame...

. O Sr. Governador

.Arquivos

. Março 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

.Ligações

Quinta-feira, 28 de Maio de 2009

Continuam a faltar clínicos para 700 mil cidadãos

As 170 novas Unidades de Saúde Familiar, pequenos centros de saúde de proximidade, permitiram, em três ano e meio, que mais dois milhões de pessoas tivessem médico de família mas estes profissionais continuam a faltar a 700 mil cidadãos.

Os números foram avançados 3ª fª à noite, em Lisboa, por especialistas do sector da Saúde na IV Tertúlia do Alto, sobre ‘Cuidados de Saúde Primários’, que terminou na passada madrugada.
O coordenador da Unidade de Missão de Cuidados de Saúde Primários revelou que, em três anos e meio de reforma dos cuidados de saúde primários, foram criadas 170 Unidades de Saúde Familiar (USF). Das 250 candidaturas aceites - de um total de 309 apresentadas voluntariamente - aguarda-se a entrada em funcionamento de mais 80 USF.
Mas há distritos que continuam sem Unidades de Saúde Familiar, “pequenos centros de saúde de proximidade”, por haver, entre outros motivos, “poucos médicos que têm uma carga de trabalho muito grande”.
Também a presidente do Conselho Regional do Sul da Ordem dos Médicos apontou as fragilidades da reforma, salientando a “desigualdade de acesso ao médico de família integrado na USF”. Assim, 700 mil doentes não beneficiam destes profissionais.
A médica alertou ainda para o facto de 73% dos médicos de família terem idade de pré-reforma, entre 50 e 60 anos, e para os atrasos no pagamento dos incentivos.
O número real de pessoas sem médico de família não é consensual para a tutela ministerial. Na lista de pessoas sem médico de família, que continua por concluir, segundo a assessoria de imprensa do Ministério da Saúde, apenas constarão as que não têm acesso ao médico de família por opção.
A reforma dos cuidados de saúde primários prevê igualmente a criação de unidades de saúde pública, de cuidados especializados e de cuidados para a comunidade (saúde escolar, ocupacional, atendimento domiciliário...). Não foram indicados prazos para a sua concretização.
 
Ver http://aeiou.expresso.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=ex.stories/517033
Temas:
publicado por Sobreda às 01:15
Link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos

.Participar

. Participe neste blogue