Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

.Temas

. cml(388)

. governo(157)

. telheiras(157)

. cdu(146)

. lumiar(133)

. eleições autárquicas(131)

. urbanismo(117)

. pcp(101)

. alta do lumiar(97)

. partidos políticos(96)

. segurança(94)

. orçamento(93)

. carnide(84)

. pev(83)

. trabalho(83)

. desemprego(77)

. saúde(76)

. trânsito(74)

. sindicatos(70)

. economia(68)

. todas as tags

.Pesquisar neste blogue

 

.Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
18
19
23
24
29
30
31

.Artigos recentes

. Gestão incompetente, estr...

. A comunicação social é um...

. Apontamentos insuficiente...

. Notas sobre a sessão de c...

. Cínicos e desprezíveis

. Assembleia da ´República ...

. 26 Março - Manifestação N...

. Festa do AVANTE promove «...

. Ensino Profissional em Po...

. O movimento associativo p...

. Realizou-se a Assembleia ...

. Que política é esta?

. Orçamento do Estado para ...

. 13 Março - Assembleia da ...

. Acção Nacional dia 16 – “...

. 18 Março - Inauguração da...

. CML - Segunda Circular e ...

. 100 anos, 100 acções do P...

. Um grande Comício no Aniv...

. Câmara de Lisboa: Grandes...

. Taxas na Cidade de Lisboa...

. ...

. Lutar: A resposta dos tra...

. Obras na escola pré-fabri...

. CT Lumiar - Almoço comemo...

. PCP contacta trabalhadore...

. 6 Março - Comicio Anivers...

. REÚNE EM ÉVORA O PRÓXIMO ...

. CML - Orçamento participa...

. PCP apresenta na Assemble...

. Requerimento sobre o Bair...

. O TRATADO DO GRANDE CAPIT...

. Injustiça nas leis, (in)j...

. Medidas do Governo são in...

. Desemprego e Pensões a re...

. LINHAS DE ALTA TENSÃO - O...

. HOJE NO COLISEU - A homen...

. PCP: Em defesa da Saúde p...

. 27 Novembro, O Capital Re...

. 4 Dezembro - Homenagem a ...

. 25 Novembro, Debate promo...

. A RESPOSTA NECESSÁRIA E I...

. PCP quer reduzir desigual...

. O salto à Vara

. Aumento do Salário Mínimo...

. Dívidas à Segurança Socia...

. Combate à corrupção em di...

. Associação Iúri Gagárin p...

. Despedimentos e encerrame...

. O Sr. Governador

.Arquivos

. Março 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

.Ligações

Sexta-feira, 10 de Julho de 2009

Perplexo e não refeito...

Perplexo e não refeito, o País esforça-se por desvendar o enigmático, embora bastante popularizado, gesto com que Manuel Pinho brindou o hemiciclo. Há os que, por simplicidade e maior linearidade de raciocínio, vêem no gesto expressão de grosseria ou má educação, resultado provável de «papa maizena» em excesso e manifesta falta de chá em pequeno. Há os que afirmam, mais elaborada e cientificamente, tratar-se de um qualquer reflexo ou impulso, um caso de estudo em potência, ditado pela configuração do espaço e uma indisfarçável aversão às cores que associa a quem tentou ofender. Andará assim, pelo menos, meio país enganado. Nem tudo ou nada, em tão simples ou esforçadas explicações. Mais do que ministro malcriado e confundido com os terrenos que pisa, o que aquele gesto traduz é a desorientação de um governo, a consciência da inevitável derrota da sua política, a percepção do espaço a que foi confinado pela resistência e luta dos trabalhadores e do povo. E sobretudo uma acumulada e incontida aversão contra quem sabem constituir a mais firme e combativa força de oposição e resistência à sua política. Em pouco mais de dois segundos, e outros tantos dedos espetados na cabeça de um ministro, se esfumou a encenada construção de um governo humilde, aprendendo com os erros, para regressar aquela genuína imagem de um governo arrogante, recheado de ministros que, com menor exuberância de gestos é certo, se propõem verbalmente «malhar» na oposição ou «trucidar» os trabalhadores que se oponham às suas «reformas». Quatro anos depois de promessas não cumpridas, de uns quantos poucos postos de trabalho criados e um mar deles destruídos, de um rasto de desigualdades e injustiças, de uma política que deixa o País mais dependente e vulnerável, sempre se poderá dizer que confrontados com o estado em que deixam a nação, ministro e Governo perderam a razão.
Registado que está o patético episódio, objecto aqui de tentada explicação, assinale-se agora uma não menos patética, ainda que derrotada em visibilidade, atitude de terceiros. A frenética rapidez com que o BE se apressou a reivindicar os «corninhos» ali presenteados, um pouco ao jeito de «são para nós, não para aqueles senhores», é seguramente caso para um cuidado estudo de psiquiatria política. Já se sabia quanto lestos eram em apropriar-se de ideias, propostas ou projectos de outros. Desconhecia-se idêntica propensão na arte das hastes.

 

"Entre Barreiras" artigo de opinião de

Jorge Cordeiro

Jornal "Avante" de 09.07.2009

Temas:
publicado por teresa roque às 09:06
Link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos

.Participar

. Participe neste blogue