Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

Cenário de alianças

Sobreda, 16.07.07

Entre os vários cenários possíveis (previa o DNotícias no dia das próprias eleições intercalares) sobra o de alianças ou com Roseta ou com Carmona.

“António Costa pode ainda vencer sem convencer. Ou seja, ficar em primeiro mas com apenas seis ou sete mandatos socialistas na Câmara de Lisboa. Uma dificuldade que se soma ao facto de o PSD ter maioria absoluta na Assembleia Municipal, que não vai a votos nesta eleição intercalar. Este é um cenário que manteria certamente as garrafas de champanhe nos frigoríficos socialistas: no Largo do Rato poucos ou nenhuns teriam vontade de festejar. O que implicaria isto? Com toda a probabilidade, nem a CDU nem o Bloco de Esquerda, isoladamente, bastariam para formar maioria. E é impensável ver comunistas e bloquistas abraçados simultaneamente ao PS no executivo municipal: são forças concorrentes e não têm qualquer historial de colaboração. Pelo contrário, não perdem uma oportunidade de marcar diferenças na praça pública.

Restaria então a Costa entrar em negociações com uma das candidaturas independentes. Se lhe faltarem dois vereadores para a maioria e se esse número puder ser preenchido pelos eleitos na lista de Roseta, a sua hesitação será mínima. Este cenário já foi analisado pelas duas candidaturas: Costa sabe que poderá vir a precisar de Roseta e esta quererá assumir um lugar de "provedora dos munícipes". Nesta hipótese, o presidente da Associação de Cidadãos Auto-Mobilizados, Manuel João Ramos, seria vereador. Problema maior acontecerá se Costa precisar de três vereadores, eventualmente o número de eleitos na lista de Carmona. Assistir-se-á então a um diálogo entre o novo presidente da câmara e o seu controverso antecessor. Diálogo de surdos? A política portuguesa, fértil em reviravoltas, já testemunhou factos mais imprevisíveis...”

Cá estaremos para ver…

 

Ver http://dn.sapo.pt/2007/07/15/nacional/o_vai_acontecer_a_partir_hoje.html