Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

(Im)parcialidade televisiva

Sobreda, 30.07.07

Duas semanas após as eleições, a Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) vem agora afirmar que as três televisões portuguesas deram mais visibilidade aos candidatos do PS, do PSD, ‘independentes’ e CDS na cobertura da campanha para as eleições intercalares do passado dia 15 de Julho no município lisboeta. Ou seja, alguns foram ‘empurrados’ para partirem logo na 1ª linha da grelha da frente!

A análise recai apenas sobre o período da cobertura das eleições intercalares no Telejornal (RTP1), no Jornal da Noite (SIC) e no Jornal Nacional (TVI), remetendo para mais tarde a avaliação da cobertura feita pela imprensa escrita. Na totalidade, entre 14 de Maio e 13 de Julho, os telejornais dos três canais generalistas emitiram 418 peças - 139 a RTP1, 105 a SIC e 174 a TVI -, o que representou, em tempo, 16 horas, 29 minutos e 4 segundos de emissão.

Em termos de “presença e/ou referência mais constante” nos três blocos informativos, Costa ocupou o primeiro lugar, seguido por Negrão, Carmona, Roseta, Telmo Correia, Sá Fernandes, Ruben de Carvalho, Garcia Pereira, Manuel Monteiro, Quartin Graça, Câmara Pereira e Pinto Coelho (PNR). Porém, analisando-se apenas o período de campanha eleitoral (6 a 13 de Julho), Carmona sobe para o segundo lugar da atenção televisiva.

Os temas dominantes nas peças dos três canais foram as “acções de campanha e estratégias eleitorais” (com 42,1 por cento), as “propostas para a cidade e para os cidadãos” (16,9) e as “manifestações críticas a candidatos” (11,5). A maioria das peças, avalia a ERC, adoptou um “tom favorável, equilibrado ou neutro”, com 15,4 a fazerem “referências desfavoráveis”.

Para os cidadãos mais atentos, apenas não constituem qualquer surpresa as conclusões apresentadas pela ERC. O que constitui estranheza é nenhuma autoridade repreender ou multar os canais televisivos pela sua (im)parcialidade.

 

Ver Público 2007-07-29