Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

Em contramão pela Segunda Circular

Sobreda, 10.04.09

A grande confusão instalou-se ao início da madrugada de ontem, na Segunda Circular, com uma perseguição policial que levou os fugitivos a inverterem a marcha e a seguir em contramão.

Uma testemunha que circulava naquela via contou que “aquilo foi um perigo. Tivemos de nos desviar e parar para o nosso carro não ser atingido. Os outros carros também se desviaram para os deixar passar”.
Para a PSP, tudo começou com um caso de carjacking, com quatro encapuzados a roubar um carro na Rua Cidade de Benguela, nos Olivais. Pelas 00h20, a viatura roubada foi localizada na Segunda Circular, a transitar no sentido Sul-Norte, perto do Estádio José Alvalade.
Um carro-patrulha da 5ª Divisão da PSP perseguia-os, quando, a determinada altura, por haver trânsito congestionado mais à frente, os fugitivos decidiram fazer inversão de marcha em plena Segunda Circular.
Ainda de acordo com informações prestadas pela mesma fonte policial, o carro-patrulha da PSP teve de se desviar para evitar ser abalroado pela viatura dos fugitivos, mas ainda se registou uma colisão com um veículo civil. Os assaltantes acabaram por conseguir fugir com a viatura roubada 1.
Segundo o Relatório Anual de Segurança Interna para 2008, agora divulgado, só o número de ocorrências participadas, no conjunto da GNR, PSP e PJ, registou um aumento de 7,5% (+29 426 casos) em relação a 2007. A comparação trimestral com 2007 (1º trimestre +4,1%, 2º trimestre +10,3%, 3º trimestre +10,6%, 4º trimestre +4,9%) permite observar uma evolução no último trimestre de 2008.
Diz o MAI que, em relação a 2007, observa-se uma diminuição dos crimes participados à GNR (-1%) e um aumento das ocorrências registadas pela PSP (+15,2%) e pela PJ (+22,7%) e que apesar de o valor global de ocorrências registadas ser o maior da década, é similar ao registado em 2003 (409.509 crimes) e em 2004 (405.605) 2.
Não parece propriamente ser o que se constata nas ruas, pois uma análise mais pormenorizada do Relatório Anual de Segurança Interna revela um aumento geral da criminalidade grave e violenta.
 

Ruptura de gás corta trânsito na Segunda Circular

Sobreda, 18.02.09

O trânsito na Segunda Circular, em Lisboa, esteve cortado durante uma hora, esta 3ª fª à noite, devido a uma ruptura de gás, revelou o Comando Metropolitano da PSP.

O corte de trânsito fez-se junta à Escola Alemã, no sentido Aeroporto-Benfica. No local estiveram também os bombeiros e um piquete da Lisboa Gás.
 

Novo acidente corta circulação no Eixo Norte-Sul

Sobreda, 29.10.08

O despiste de um veículo pesado, esta terça-feira, no Eixo Norte-sul obrigou ao corte do trânsito no mesmo sentido até ao nó Segunda Circular.

De acordo com informação da Brigada de Trânsito (BT) da PSP, o acidente, do qual resultou um ferido ligeiro, ocorreu cerca das 14h45 junto ao nó de Telheiras no sentido Norte-Sul do eixo Norte/Sul. Durante a tarde o trânsito foi desviado para a Avenida das Nações Unidas, no nó de Telheiras, podendo voltar ao eixo Norte/Sul no nó da Segunda Circular, acrescentou a mesma fonte.
Parte do separador central da via foi derrubando devido ao acidente, que também danificou um poste de energia eléctrica que teve que ser removido, motivos que levaram a que a circulação de trânsito se fizesse apenas nas faixas direita e central no sentido Sul/Norte.
Neste sentido, o trânsito foi desviado para a Avenida das Nações Unidas, podendo voltar a circular pela entrada da Avenida Padre Cruz ou no Lumiar 1.
Recorda-se a péssima iluminação existente, quer nos acessos de Telheiras ao e do Eixo Norte-Sul, quer em no troço da Segunda Circular ao longo de toda a zona do Campo Grande, o que, obviamente, dificulta uma circulação rodoviária em segurança.
 

Do lusco-fusco à escuridão total

Sobreda, 01.10.08

É frequente encontrar-se uma sequência de vários candeeiros apagados, um pouco por toda a cidade. Exemplo da falta de iluminação pública é o de uma via muito frequentada, como a Segunda Circular, nos seus acessos nas imediações do Campo Grande. Não será, talvez, por isso de estranhar a frequência com que aí ocorrem acidentes rodoviários 1.

Se no caso da sua zona de residência existirem lâmpadas fundidas, lixo acumulado na via pública, buracos nas ruas e nos passeios, anomalias de sinalização ou jardins em mau estado, os munícipes deverão contactar o programa Lisboa Alerta para o número 808 203 232.
Bastante anormal, porém, será existirem ruas sem um único candeeiro.

 

 

Mas tal é o que acontece, precisamente, numa zona de construção consolidada, vai já para 8 anos, no Parque dos Príncipes em Telheiras, quer na Rua Frei São Bento Menni, quer na Rua professor Simões Raposo, bem em frente ao Eixo Norte-Sul.
Nem um único candeeiro!! É a escuridão total 2, foco óbvio de insegurança para os transeuntes e os residentes nesses locais. Que medidas já tomaram a Junta de Freguesia e a CML para resolver o problema? Lamentavelmente, até ao momento, nenhumas.
 
2. O lusco-fusco, e a má visibilidade daí decorrente, dura muito mais tempo do que o considerado pelo Gato Fedorento em http://www.youtube.com/watch?v=kwYyvfpksw4 ou www.youtube.com/watch?v=T6IN4Rwy_zQ

Segunda Circular com acidente de primeira gravidade

Sobreda, 14.09.08

A viatura avariada no final da Segunda Circular, em frente à Escola Superior de Educação, no sentido Norte-Sul, encontrava-se devidamente pré-sinalizada pelo respectivo triângulo amarelo.

O local, caracterizado por uma curva acentuada, talvez não permita uma total visibilidade, motivo mais que suficiente para os condutores redobrarem a atenção e moderarem a velocidade. Mas uma segunda viatura acabaria por chocar violentamente com o veículo imobilizado.

 

 

Segundo fonte da Divisão de Trânsito da PSP, o evitável acidente entre duas viaturas ligeiras, registado ontem à noite cerca da 22h, acabou por provocar um morto e quatro feridos, com dois sinistrados encarcerados nas viaturas em estado grave, e o corte da via no sentido Norte-Sul.
O Regimento de Sapadores de Bombeiros fez deslocar para o local três viaturas de desencarceramento, uma ambulância e uma equipa de 15 elementos. No local estiveram também várias ambulâncias e viaturas de apoio do Instituto Nacional de Emergência Médica.
Durante várias horas, o trânsito na Segunda Circular no sentido Norte-Sul teve de ser desviado para a Estrada de Benfica e outras vias circundantes. Motivo imediato para todo este aparato: excesso de velocidade em zona de visibilidade reduzida. Tarda a implementação de medidas redutoras de velocidade, um pouco por toda a cidade.
 

Via urbana sem distribuição de trânsito local

Sobreda, 01.11.07

Transformar a 2ª Circular numa “via urbana de facto” parece ser o objectivo que preside à grande intervenção que a autarquia de Lisboa está a preparar para esta estrada. Desse conjunto de obras “a executar de imediato”, segundo um relatório a que o Expresso terá tido acesso, prevê-se o encerramento de alguns nós e ligações 1.

Algumas das situações consideradas pelos peritos camarários como de “conflito extremamente perigoso, quer para os utentes da 2ª Circular, quer para os habitantes do bairro”, e tidas em conta para sofrer modificações, incluem o acesso ao Bairro da Encarnação. Também em alternativa, vão ser inseridas vias de aceleração em locais como o acesso das Calvanas para quem segue para a A1, das entradas da Rotunda do Aeroporto, ou do Eixo Norte-Sul e da Estrada da Luz. Para além destas alterações nos acessos haverá também remodelações entre a Av. da Pontinha (Colombo) e a Av. Lusíada, bem como na saída para a Estrada da Luz, em direcção a Sete Rios.

Mas uma outra intervenção prevista é na saída da 2ª circular para Telheiras, localizada logo após o Colégio Alemão. Curiosamente, uma das entradas para a urbanização, via Bairro Jardim, com uma faixa de rodagem extra para desaceleração antes da saída, e com lombas - por sinal de fraca qualidade - redutoras de velocidade à entrada da zona habitacional e de atravessamento da pista ciclável entre Telheiras e Entrecampos.

Neste acesso, a supressão da saída da via constituirá uma situação verdadeiramente inexplicável. Mais. Metodologicamente costuma descrever-se e estudar-se um problema antes de se adoptar a melhor solução, porém, para já não aparece qualquer justificação baseada no número e tipo de acidentes registados no local, o que já por si não é um bom sinal. Diz a sabedoria popular que “cadelas apressadas têm crias cegas”.

Noutras entradas em Lisboa, como pela auto-estrada do Norte e pela Radial de Sintra, vão ser “marcadas” pela criação de ‘Portas da Cidade’ - uma forma “de garantir a transição entre ambientes rodoviários distintos, induzindo à redução da velocidade de circulação”. No nó do Ralis vão ser removidos todos os painéis publicitários e árvores e rectificadas as copas das árvores existentes junto ao viaduto do relógio. Fonte ligada ao processo disse estar ainda “a Câmara a fazer a avaliação dos custos da intervenção”, não estando por enquanto definido o calendário da sua execução 2.

A alternativa viária seria, bem pelo contrário, a transformação da 2ª circular em via de circulação local, permitindo um outro tipo de escoamento do trânsito. Espera-se também que o programa de obras tenha uma apresentação pública, seguida de debate pelas diversas associações de moradores das zonas afectadas.

 

1. Ver http://expresso.clix.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=ex.stories/151017

2. Ver http://radares50-80.blogspot.com/2007/10/cmara-de-lisboa-muda-acessos-segunda.html

3. Ver http://cdulumiar.blogs.sapo.pt/149540.html

Barreiras e rotundas na 2ª circular

Sobreda, 01.11.07

A estrutura viária é um dos elementos fundamentais da organização e forma de uma área urbana. A hierarquia da rede viária é função da sua qualidade - principal ou distribuidora, ou secundária ou local. Ressalta ainda, como qualidade de uma rede viária, a topografia, a exposição ao sol e aos ventos dominantes, a presença de indústria ou de habitação (tipo de ocupação do território), o fluxo previsto e as expansões.

Ao abordar-se a mobilidade, deve ser incluída a proposta de circulação pedonal, de ciclovias, de circulação automóvel e de transporte pesado. Estas últimas geram fluxos de poluições sonora e atmosférica, de tempo gasto em deslocações, stress, insegurança, incidentes, acidentes e conflitualidade social.

Na definição de uma nova via implica considerar focos de poluições, segurança e isolamento, cortando o território e gerando novos hábitos e necessidades que geram isolamento e até segregação social. Para se atravessar uma via rápida, é normalmente necessário percorrer distâncias quase sempre superiores.

No caso da 2ª circular, esta via funciona como um muro, não só de carácter físico ‘obstáculo’, efectivamente é intransponível na sua grande parte, mas também como barreira de poluição sonora e atmosférica. Basta observar a orientação dos edifícios - ou voltados de costas para a circular ou protegidos por barreiras acústicas que acentuam ainda mais o carácter de barreira.

A 2ª Circular tem génese no Plano Geral de Urbanização de Lisboa do arquitecto e urbanista Meyer-Heine de 1967 (publicado em 1977). As estatísticas mostram que ao longo do seu traçado a população residente decresceu cerca de 15% entre 1991 e 2001. As freguesias com aumento populacional são a Encarnação (3,8%), o Lumiar (6,5%), a Charneca (9,8%) e Carnide (28,6%).

Há quem proponha que a 2ª circular seja transformada em via de circulação local devido a três factos em prospectiva: a (eventual) saída do Aeroporto da Portela, a entrada em funcionamento do (deficiente) Eixo Norte/Sul, o (futuro) fecho da CRIL. Parte-se do pressuposto que a conclusão destas três obras viria reduzir o volume de circulação automóvel que hoje utiliza a 2ª circular para atravessamento da cidade e eliminar quase todo o tráfego com destino ao aeroporto 1. Actualmente não é essa a realidade 2.

Como alternativa viária, a transformação da 2ª circular em via de circulação local poderia vir a permitir um outro tipo de escoamento do trânsito local, conseguido através do nivelamento de alguns cruzamentos com, por exemplo, a criação de rotundas.

Nós continuamos a apostar na entrada em funcionamento de uma Autoridade Metropolitana que reorganize eficazmente a intermodalidade entre os transportes públicos.

 

1. Ver http://arquitecturacidade.blogspot.com/2007/10/2-circular-de-lisboa-mobilidade-e.html

2. Ver http://cdulumiar.blogs.sapo.pt/148675.html