Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

Arraiais começam amanhã a colorir as ruas de Lisboa

Sobreda, 31.05.09

 

A partir de manhã e até 30 de Junho a capital é invadida por cheiros, sons e cores que indicam a chegada de um dos eventos mais tradicionais das Festas de Lisboa: os arraiais. À semelhança dos outros anos, os dias fortes serão os fins-de-semana e os feriados.
Ao calor juntam-se as sardinhas, o manjerico e a música popular que se espalham pelas ruas da capital. É já amanhã que os arraiais dos Santos Populares tomam conta dos bairros históricos, onde 25 colectividades já têm tudo preparado para a festa.
O ritual vem desde a Idade Média e graças às organizações e à vontade popular, as festividades continuam com grande vitalidade. Há 18 freguesias prendadas com arraiais mas nem todas começam já amanhã. Aliás, como explicam os organizadores, os dias mais fortes são “os fins-de-semana e as vésperas de feriado de Junho”.
Apesar do primeiro arraial na zona de S. Vicente de Fora se realizar apenas no dia 9, um exército de voluntários já tem quase tudo preparado. O coordenador das festas populares d'A Voz do Operário, Vitor Agostinho, conta que no beco onde costuma decorrer a animação “as paredes já estão todas pintadas com desenhos naif de zonas emblemáticas da cidade”.
O mesmo acontece com o Centro de Cultura Popular de Santa Engrácia, responsável pelos arraiais naquela zona, onde apesar dos “bailaricos” só arrancarem dia 6, já foram ultimados os preparativos. “Ainda hoje [ontem] de madrugada estivemos até às 6 da manhã a embelezar o arraial”.
Todos estes locais têm formas diferentes de viver o Santo António. A Voz do Operário decidiu animar a rua com noites de fado. Vítor Agostinho explica que a ideia é ter “fadistas amadores, sem grandes nomes, para ter um arraial calminho”.
No ringue do Clube Sportivo de Pedrouços, na zona de Santa Maria de Belém, também “já está tudo decorado. Já temos bandeiras, festão, luzes e manjerico, só falta umas palmeiras”, conta o seu vice-presidente.
Já a estratégia do Club Sportivo de Pedrouços passa por ter um "bom preço" nas sardinhas: "80 cêntimos". Assim, Vítor Santos acredita que o arraial "vai ficar cheio, porque vem tudo de Alfama para comer aqui uma sardinhada".
Apesar de todos quererem um “ambiente familiar” para os seus arraiais e reconhecerem que estes só são possíveis devido a uma solidariedade bairrista, tal não significa que os forasteiros sejam indesejados. Todos os organizadores revelam que “vem sempre muita gente de fora” 1.
Também em Telheiras, a A.R.T. está a começar a organizar um convívio popular - sardinhada, claro - no próximo dia 26 de Junho. Por isso, quem gosta de arraiais basta escolher um local ou então seguir o mais fiel dos sinais: o cheiro a sardinha! Conviva!
 

Palestra sobre Ciência na ART

Sobreda, 15.04.09

O Clube de Ciência da Associação de Residentes de Telheiras convida todos os moradores do bairro, interessados e amigos, para mais uma palestra do Clube de Ciência, que se realizará hoje, 4ª fª, dia 15, a partir das 21h30, na sede da ART (sita na Rua Prof. Mário Chicó).

 

A palestra, que versará o tema “Ciência e trabalho científico : aspectos gerais e situação portuguesa”, será apresentada pelo doutor em Física Frederico Gama Carvalho, Investigador-Coordenador do Instituto Tecnológico e Nuclear (aposentado).

 

Telheiras, um bairro em mudança

Sobreda, 06.03.09
A Associação de Residentes de Telheiras completou 20 anos em 2008. Durante as primeiras 2 décadas de vida da Associação, Telheiras foi um bairro em construção e a ART teve um papel relevante na discussão das questões ligadas ao urbanismo do bairro.
Hoje, Telheiras é um bairro em fase de consolidação e os problemas são outros: a população envelheceu, os adolescentes ocuparam o lugar das crianças, sobram algumas zonas expectantes e espaços verdes por concluir, o bairro é atravessado por trânsito de passagem, começam a surgir problemas de segurança.
Vivem-se actualmente tempos de crise e as organizações locais irão ter, no futuro, uma importância acrescida.
Com este encontro pretende-se:
* Pensar a ART, reflectir sobre a sua missão nos tempos que correm;
* Preparar a ART para os próximos 20 anos;
* Promover um maior e melhor relacionamento dos sócios com a ART.
Assim, sábado, dia 7 de Março, venha ao Centro Comunitário de Telheiras (em frente à ART) e participe. A sua opinião conta para melhorar a qualidade de vida no bairro!
Tragam todos os associados empenhados na problemática do bairro, porque vai valer a pena.
 

Eco-ilhas em Carnide versus sistema de recolha em Telheiras

Sobreda, 13.01.09

O núcleo histórico de Carnide disponibiliza desde ontem seis novas ‘eco-ilhas’, ou seja, contentores de 1.100 litros de capacidade, destinados à deposição de resíduos urbanos (RU). Os contentores têm tampas de cores diferentes: cinzenta para os indiferenciados, azul para o papel e cartão, amarela para as embalagens e verde clara para o vidro 1.

Este tipo de equipamento já existe em áreas próximas do Núcleo Histórico, como sendo o Bairro Novo de Carnide, o Bairro da EPUL, a Quinta do Bom Nome e numa área central da Quinta da Luz.
Esta alteração no sistema de deposição de RU, para além de proporcionar um aumento dos quantitativos de resíduos a valorizar, vai de encontro à vontade dos munícipes, manifestada pela Junta de Freguesia de Carnide e pelo Grupo Comunitário de Carnide Centro, entre outros representantes dos moradores.
Neste sentido, a área-alvo de intervenção é a servida actualmente por sacos, representando 190 habitações e 29 actividades económicas. A recolha manter-se-á em horário diurno, a partir das 6 horas da manhã 2.
O sistema de recolha de lixo tem estado periodicamente a ser alterado pelo município, com variantes consoante as características dos bairros da capital 3.
Note-se, por exemplo, que não foi esta a metodologia escolhida pela CML para o vizinho bairro de Telheiras, cuja opção foi programar um polémico porta-a-porta, com o regresso à colocação dos caixotes nas ruas a partir do fim da tarde e até à sua recolha apenas após a meia-noite.
Recorde-se que há década e meia atrás, a A.R.T., para evitar estas situações, tinha conseguido acordar com a CML um sistema de recolha bem mais higiénico, com menos lixo espalhado no espaço público e menos odores.
É que a maioria das habitações em Telheiras dispõem de ‘casa do lixo’ com porta para o exterior. Na altura, a direcção da A.R.T. conseguira, em conjunto com alguns condomínios, que todas essas ‘casas’ tivessem uma chave comum que os trabalhadores da DHURS da CML usavam para retirar os contentores domésticos apenas quando vinham proceder à respectiva recolha de lixo.
Ou seja, deixara de haver aglomeração de lixo no espaço público, logo de odores ‘suplementares’, durante horas seguidas. Hoje, a recolha de lixo em Telheiras passou a constituir um retrocesso ambiental. Uma medida que “ameaça tornar-se num fiasco” 4, como se pôde constatar no período natalício.
 
1. Ver Metro 2009-01-12, p. 3

‘Casas’ pelo teatroàparte

Sobreda, 22.11.08

 

“As pessoas têm a mania que são donas de cães, de canários, de outras pessoas, de casa, a até da própria terra. Ponhamos os cães e os canários de lado, e vejamos como é que se comportam as pessoas com as casas.
Depois a história é simples: a porteira trabalha para a madrasta e depois vem o Príncipe, que é mais poderoso, expropria a madrasta e fica com a porteira. Mas como é que é depois da felicidade para sempre? Como é que são as histórias depois de acabarem as histórias?” (Miguel Castro Caldas).
Eis o enredo da peça ‘Casas’, em cena no Auditório Municipal Orlando Ribeiro, em Telheiras. A peça, conduzida pelo ‘teatroàparte’ - grupo de Teatro amador da ART 1 -, com texto da autoria de Miguel Castro Caldas e encenação de Gonçalo Amorim, está em cena desde 14 de Novembro e tem as últimas representações hoje, às 22 horas e dia 28 de Novembro, também às 22h, e dia 26, às 16h e às 22h.
 

 

20º aniversário da ART

Sobreda, 06.10.08

A ART está de parabéns! A Associação de Residentes de Telheiras (ART) vai comemorar o seu 20º aniversário no próximo dia 11 de Outubro.

O programa cultural será composto pela actuação e exibição das principais actividades culturais da ART, que decorrerá durante a tarde nos jardins do Metro de Telheiras, zonas pedonais e principais esplanadas do bairro, concluindo à noite com um espectáculo no Auditório da Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro, o qual terá início às 21h e terminará com um Porto de Honra servido no átrio do mesmo edifício.

 

Programa do dia 11 de Outubro
À Tarde: O passeio da ART
15h30 – Jam-session com a banda J.A.L.B.O.E., traz o teu instrumento! - Junto à saída do metro
16h30 – Danças escocesas, para ver e dar um pezinho de dança! - Junto à saída do metro
17h00 – Piano, para ouvir belas melodias! - Junto à saída do elevador do metro
17h30 – Iniciação às Artes Plásticas, assista a uma aula! - Em frente à Aldeia de Telheiras
18h00 – Ballet, uma actuação de encantar! - Na sede da ART
Em paralelo, decorre uma exposição de Pintura e Artes Decorativas.
À Noite: Sessão comemorativa dos 20 anos da ART
21h00 - No Auditório da Biblioteca Orlando Ribeiro, com intervenções alusivas aos 20 anos da ART e exibição do Coro, do Grupo de Danças Escocesas, do Grupo de Guitarra e do Grupo de Ballet. Assista e participe ! O convite é extensível a toda a comunidade.
 
A ART - Associação dos Residentes de Telheiras foi constituída em 1988 e, desde então, tem tido uma forte intervenção nas questões de interesse cívico, nomeadamente em matéria do planeamento urbano e preservação do património histórico e cultural, gestão dos espaços verdes e valorização económica e sociológica do bairro.
Na sede da ART ensina-se música, ballet e outras danças, pintura para crianças e adultos, promovem-se exposições de pintura e actividades lúdicas e culturais, organizam-se passeios e visitas culturais e realizam-se conferencias e debates.
A ART associa ainda um Coro e um Grupo de Teatro, indo este ano desenvolver as artes circenses e continuando a promover o desporto através do andebol, cicloturismo, jogo da malha e ioga.
Para o futuro, a ART tenciona manter-se um parceiro activo junto do poder político e autárquico, sempre em defesa e valorização das condições de vida urbana dos residentes de Telheiras e atenta aos principais desafios do desenvolvimento sustentável da cidade, em particular, no que respeitar às questões directamente relacionadas com o bairro.
Sobre as actividades da Associação consulte www.artelheiras.pt/pages/index.php Para mais informações, contactar a sede da ART pelo tel. 217.568.103 ou por e-mail arttelheiras@gmail.com