Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

.Temas

. cml(388)

. governo(157)

. telheiras(157)

. cdu(146)

. lumiar(133)

. eleições autárquicas(131)

. urbanismo(117)

. pcp(101)

. alta do lumiar(97)

. partidos políticos(96)

. segurança(94)

. orçamento(93)

. carnide(84)

. pev(83)

. trabalho(83)

. desemprego(77)

. saúde(76)

. trânsito(74)

. sindicatos(70)

. economia(68)

. todas as tags

.Pesquisar neste blogue

 

.Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
18
19
23
24
29
30
31

.Artigos recentes

. Condicionamentos de trâns...

. Penhoras a clubes desapar...

. Os canaviais das Avenidas...

. Lisboa negociou mal

. Reunião descentralizada d...

. Pizzarias sem ‘massa’

. Benfica e CML em fora de ...

.Arquivos

. Março 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

.Ligações

Quinta-feira, 7 de Maio de 2009

Condicionamentos de trânsito no Lumiar e em Benfica

Desde o dia 5 de Maio, e durante cerca de 2 meses, devido a obras na via, designadamente com a construção de uma passadeira sobrelevada na Rua Carlos Paredes, frente à Escola D. José I, onde há quase dois anos sucedeu um acidente mortal de uma jovem estudante, a circulação viária irá sofrer um pequeno desvio passando a efectuar-se em duas faixas, uma em cada sentido e, segundo a CML, ambas devidamente visíveis e sinalizadas 1.

Também a execução de uma camada de pavimento na Estrada de Benfica levará à alteração de trânsito neste local durante o próximo fim-de-semana.
Assim, no próximo fim-de-semana, das 6h30 de sábado, dia 9, até às 8h de domingo, dia 10, devido a obras para execução da camada final do pavimento da Estrada de Benfica, o trânsito irá ser vedado em ambos os sentidos, no troço compreendido entre a Estrada A-da-Maia e a Rua Prof. Santos Andrea, a iniciar do lado da Estrada A-da-Maia.
O trânsito individual será desviado pelos arruamentos envolventes e com o apoio policial. Os transportes públicos que servem a Estrada de Benfica serão desviados nos dois sentidos pelo seguinte percurso: Rua Paz dos Reis / Rua das Pedralvas / Rua João Ortigão Ramos / Estrada dos Arneiros/ Av. Mar. Teixeira Rebelo / Interface / Av. Colégio Militar / Estrada de Benfica.
Por seu turno, as carreiras da Carris que servem os eixos Av. do Uruguai / Av. Gomes Pereira, serão desviados pelas Rua Carolina M. Vasconcelos / Rua Ten. Cor. Ribeiro dos Reis / Estrada de Benfica, num dos sentidos, e pela Rua José Rodrigues Miguéis / Rua Prof. Sebastião e Silva / Rua Ten. Cor. Ribeiro dos Reis / Rua Carolina M. Vasconcelos, no outro sentido 2.
 
1. Ver www.cm-lisboa.pt/?idc=42&idi=41656
2. Ver http://news.automotor.xl.pt/?s=12&n=23803&nivel=3
publicado por Sobreda às 02:03
Link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 31 de Outubro de 2008

Penhoras a clubes desapareceram nas Finanças

As cópias de autos de penhoras efectuadas pela Direcção-Geral dos Impostos (DGCI) a vários clubes de futebol, entre os quais o Sporting Clube de Portugal (SCP) e o Sport Lisboa e Benfica (SLB), desapareceram de um envelope selado que se encontrava na gaveta de uma funcionária da administração fiscal e foram substituídas por folhas para reutilizar na impressora.

A informação é dada pela própria funcionária da DGCI no âmbito do processo que decorreu no Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa no seguimento da queixa do anterior Director-Geral dos Impostos relativa às fugas de informação da DGCI.
O desaparecimento dos documentos, que fora abordado pela primeira vez numa informação enviada em Outubro de 2005 ao então director-geral pelo director distrital de Finanças de Lisboa, relata o desaparecimento de autos de penhoras feitas a clubes de futebol e, face à denúncia, pediu-se à Judiciária para averiguar a situação. Mais tarde, já no âmbito da investigação do DIAP, é apresentado um ofício do director distrital que não é mais do que o relato feito pela funcionária do fisco a quem alegadamente foram roubados os documentos.
A funcionária explica que lhe foi entregue um mandado de penhora em nome do executado SCP e que, no seguimento desse mandato, foram executadas diversas penhoras ao clube. A funcionária diz ainda que fez três cópias do documento. Arquivou uma cópia junto ao processo que decorria naquela direcção de finanças; outra no arquivo mensal da equipa a que pertence; e uma outra num envelope onde já se encontravam cópias de outras penhoras a clubes de futebol, nomeadamente ao SLB. A funcionária garante ainda que o envelope se encontrava fechado com fita-cola.
Mas o inesperado aconteceu.
Foi solicitado à funcionária informação sobre as ditas penhoras efectuadas ao SCP e ao fazer essa informação tentou juntar a documentação. Mas tal não foi possível, porque o processo estava na sua mala pessoal, que tinha, naquele dia, deixado em casa. E foi então procurar o envelope com as cópias que tinha deixado na sua secretária. O envelope estava onde o deixou, mas toda a documentação que lá tinha deixado tinha sido substituída por um volume de folhas já impressas e que se destinavam a ser reutilizadas.
Perante este relato dos acontecimentos, a funcionária foi chamada a depor no DIAP, tendo reafirmado os mesmos factos, acrescentando que não se tinha apercebido que os documentos tivessem sido usados. Disse ainda que não tinha como identificar o autor do roubo porque as suas gavetas estavam abertas e trabalhava num espaço aberto com mais 25 pessoas.
O DIAP concluiu que, apesar de poder estar perante um crime de furto, não havia elementos que possibilitassem a identificação do seu autor e arquivou o processo.
 
Ver http://jornal.publico.clix.pt/default.asp?url=%2Fmain%2Easp%3Fdt%3D20081027%26page%3D3%26c%3DA
publicado por Sobreda às 00:07
Link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 19 de Agosto de 2008

Os canaviais das Avenidas também ardem

Um incêndio deflagrou hoje, ao início da tarde, num terreno baldio com canaviais na Avenida Marechal Teixeira Rebelo, junto ao Hospital da Luz, entre as Freguesias de Benfica e Carnide. Uma das duas frentes do incêndio já foi extinta, enquanto uma outra está circunscrita.
De acordo com uma fonte dos Bombeiros Sapadores de Lisboa, o alerta foi dado pelas 14h54, sendo que as chamas tiveram início num descampado entre o cemitério e o Hospital da Luz, situado junto ao Centro Comercial Colombo.
No combate às chamas estão 15 bombeiros, apoiados por seis viaturas. Até ao momento, não há registo de feridos ou outros danos. Devido ao muito fumo na zona, os automobilistas têm visibilidade reduzida 1.
O vento que se faz sentir chegou mesmo a empurrar as chamas para o perímetro do cemitério (de Benfica), mas a situação já está controlada pelos bombeiros 2.
Mais do que nunca fica (infelizmente) provado que os canaviais, e outros arbustos em zonas expectantes, quando não são periodicamente cortados pela CML, para além dos animais rastejantes que neles nidificam e do lixo que esvoaça e nele se junta, podem tornar-se num perigoso combustível em zonas urbanas.
A pergunta para a CML é apenas: porque não são cortados e o espaço limpo com regularidade? Aliás, nada de novo, que por aqui não costumemos recordar… 3
 
1. Ver www.correiodamanha.pt/noticia.aspx?contentid=A97D10F7-80E0-42EF-84DC-F0F8EB13218B&channelid=00000021-0000-0000-0000-000000000021
2. Ver http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1339592
3. Ler, por ex., http://cdulumiar.blogs.sapo.pt/114114.html ou http://cdulumiar.blogs.sapo.pt/113820.html ou http://cdulumiar.blogs.sapo.pt/114313.html
publicado por Sobreda às 19:58
Link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 4 de Abril de 2008

Lisboa negociou mal

Numa sala ‘à pinha’ da Junta de Freguesia de Benfica, decorreu anteontem à noite mais uma reunião descentralizada da CML, numa sessão dominada pelo descontentamento e a revolta dos moradores do Bairro de Santa Cruz de Benfica. Em causa estava o projecto de conclusão da Circular Regional Interna de Lisboa (CRIL), mais concretamente, o troço entre a Buraca e a Pontinha 1.
Foram 150 moradores de Benfica que encheram o auditório Carlos Paredes até às 23h30 de quarta-feira, um dia, de resto, em que a autarquia esteve em reunião durante 14 horas. Contando com a assistência da sala contígua (onde as palavras do presidente chegam pelo vídeo), são mais de 250 pessoas, sentadas nas cadeiras, nos degraus, de pé, ao colo, espalmadas contra o palco e contra as portas 2.
Vestidos de negro em sinal de luto pela obra que dizem pôr em causa a sua qualidade de vida e a saúde pública na zona, os moradores apontaram vários defeitos ao projecto 3, que alegam violar a Declaração de Impacto Ambiental, emitida pelo Instituto do Ambiente em 2004.
Consideram que, em vez das três vias em cada sentido, em túnel fechado, que lhes prometeram, em 2005 o Governo decidiu alterar o projecto para quatro vias em cada sentido e, pior, num túnel a céu aberto que passa a poucos metros das suas casas e onde são esperados cerca de 120 mil veículos por dia. O Governo inseriu também um nó rodoviário na Damaia, que os residentes na zona dizem servir apenas os interesses imobiliários na Amadora.
Os moradores pediram então ao presidente da CML que interceda junto do Governo para que este ‘atentado’ não vá avante, mas António Costa alegou que já não vai a tempo de pedir alterações de fundo, tendo-se comprometido apenas a “trabalhar para mitigar os efeitos daquela solução”.
Perante a ‘agonia’ dos munícipes, o presidente da CML acabou por reconhecer que “esta não é a melhor solução possível”, tendo-se ‘apenas’ comprometido a “trabalhar para mitigar os efeitos daquela solução”, nas reuniões semanais que a CML tem tido com as Estradas de Portugal para resolver problemas práticos como os realojamentos e os arranjos de superfície.
No final, o autarca acabaria por reconhecer que “o concelho da Amadora negociou bem e o concelho de Lisboa negociou mal” 4.
Por resolver continuarão ainda os problemas de trânsito, a insegurança rodoviária junto à Estação de Benfica e os cruzamentos que são “autênticas ratoeiras”, a falta de passadeiras, os jardins que são “grandes WC caninos” (“sr. presidente, não queremos WC tão grandes para os fiéis amigos”), a insegurança e sobretudo a ausência de estacionamentos (“põem pilaretes de 35 euros por tudo quanto é sítio, até em frente a uma árvore, vá-se lá saber com medo que alguém ponha o carro lá em cima”) 2.
 
1. Ver http://cdulumiar.blogs.sapo.pt/161862.html
2. Ver “António Costa admite que Lisboa "negociou mal" a CRIL” IN Público 2008-04-04
3. Ver posição dos moradores IN www.cril-segura.com
4. Ver http://jn.sapo.pt/2008/04/04/pais/costa_se_compromete_a_mitigar_efeito.html
Sábado, 22 de Março de 2008

Reunião descentralizada da CML

A próxima reunião pública descentralizada da Câmara realiza-se a 2 de Abril, pelas 18h30, no Auditório Carlos Paredes, em Benfica (Avenida Gomes Pereira, nº 17), tendo como ponto único na Ordem de Trabalhos a “Audição dos Munícipes”.
A reunião destina-se preferencialmente aos moradores da freguesia. As intervenções, num máximo de 20, serão ordenadas de forma a dar prioridade a assuntos de interesse da zona, colectivos ou públicos.
 
Ver www.cm-lisboa.pt/?id_item=15852&id_categoria=11
Temas: ,
publicado por Sobreda às 08:54
Link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 28 de Maio de 2007

Pizzarias sem ‘massa’

Duas pizzarias situadas a três quilómetros de distância foram na sexta-feira à noite assaltadas quase em simultâneo na freguesia de Benfica. Menos de cinco minutos separaram os dois assaltos, o que levou a polícia a suspeitar que dois grupos distintos terão combinado entre si uma estratégia para roubar os estabelecimentos.

Segundo fonte do Comando Metropolitano, o primeiro crime ocorreu às 22.25, quando três indivíduos encapuzados entraram numa das lojas e ameaçaram quatro funcionários e três clientes com uma caçadeira de canos serrados. Os suspeitos levaram 180 euros da caixa registadora e vários documentos que pertenciam aos clientes.

Cinco minutos mais tarde, e a menos de três quilómetros de distância, quatro homens encapuzados entraram numa outra loja da mesma cadeia e, sob a ameaça de uma caçadeira de canos serrados, obrigaram os funcionários a entregar todo o dinheiro (1655 euros) que se encontrava na caixa registadora. O grupo levou ainda os telemóveis de dois clientes que se encontravam no estabelecimento.

O caso está a ser investigado pela Polícia Judiciária. Já em Fevereiro de 2004, três indivíduos, com a cara coberta por capuzes, assaltaram uma das lojas recorrendo a uma pistola e forçando os funcionários a abrir a caixa registadora, de onde retiraram 300 euros 1.

Em Telheiras os lojistas já “escondem a cara e o nome com medo de serem as próximas vítimas. Mais do que isso, trancaram as portas das suas lojas e só as abrem quando sabem quem é que está do outro lado” 2Uma alternativa é, por exemplo, a do reforço da segurança através do policiamento de proximidade, que constitui “uma das prioridades da população de Alfama, organizada por uma acção conjunta da PSP e da Polícia Municipal 3.

No caso das lojas de Benfica, as pizzas ficaram, mas os euros voaram, porque o segredo… estava na ‘massa’.

1. Ver http://dn.sapo.pt/2007/05/27/cidades/duas_telepizzas_assaltadas_quase_sim.html

2. Ver http://cdulumiar.blogs.sapo.pt/42107.html

3. Ver http://osverdesemlisboa.blogspot.com/2007/05/policiamento-de-proximidade.html

publicado por Sobreda às 00:37
Link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 11 de Maio de 2007

Benfica e CML em fora de jogo

A Câmara de Lisboa instrumentalizou a EPUL para ajudar a financiar a construção do Estádio da Luz e fazer crer que não estavam em causa dinheiros públicos, os pagamentos feitos pela EPUL ao Benfica (SLB) ultrapassaram os limites contratados que, na sua maioria, não foram para financiar as obras acordadas, e a EPUL adiantou dinheiro ao Benfica, por conta de lucros futuros, sem fundamentar a decisão.

Este é apenas um pequeno enunciado da longa lista de irregularidades detectadas pela Inspecção-Geral de Finanças (IGF) depois de analisar o negócio efectuado entre a CML, a EPUL e o Benfica para a construção do novo estádio da Luz 1.

No caso dos terrenos do Vale de Santo António, a empresa municipal fez um “adiantamento por conta de lucros futuros, decorrentes do empreendimento de 200 fogos, de 9.975 milhões de euros ao Bemfica, sem que fosse devidamente demonstrada a adequabilidade de tal valor aos lucros previsíveis”. A IGF frisa, ainda, que a “EPUL assumiu toda a componente de risco do negócio”. A análise reporta-se aos anos de 2003 a 2006. No relatório refere-se também que a EPUL assumiu encargos no valor de cerca de 1,3 milhões de euros a mais do que o estabelecido no contrato-programa para o novo estádio do SLB. Em vez de pagar 6.822.419 euros, a EPUL despendeu 8.118.678 euros 2.

Em Abril de 2002, responsáveis da autarquia, da EPUL, do Sporting e do Benfica celebraram diversos protocolos destinados a viabilizar a construção dos estádios previstos para a realização do Euro2004.

No dia 30 de Setembro de 2004 a EPUL tinha “2,5 milhões de euros só com a compra ao Benfica dos terrenos junto ao Estádio da Luz”. No mesmo dia, o PCP considerou que o Município de Lisboa foi “duplamente prejudicado” com o negócio estabelecido pelo ex-presidente da autarquia lisboeta, Santana Lopes, a EPUL e o SLB. Segundo o PCP, quando a EPUL comprou os terrenos por 38 milhões de euros “não terá contabilizado outros encargos que teve de assumir, por imposição da Câmara”, como os ramais de ligação ao novo estádio, que custaram oito milhões de euros (6,822 milhões mais IVA).

Em comunicado, os comunistas consideravam que os protocolos estabelecidos representaram “um negócio da China” em que “os lucros ficaram exclusivamente para os privados” e o Plano Director Municipal continuou a “ser desrespeitado”. Para o PCP, "ficam claras as responsabilidades políticas de cada uma das forças políticas e de Santana Lopes que então desempenhava o cargo de primeiro-ministro e era apontado como o “'pai' da solução aprovada” 3.

Contactado pela Lusa, Pedro Santana Lopes não quis comentar. É que as irregularidades detectadas são de tal ordem que, para compreendê-las, é indispensável ler na íntegra o pormenorizado artigo do Jornal de Negócios 1. Por outras palavras, enquanto uns estão fora de jogo, outros estão bem ‘dentro da jogada’.

 

1. Ver “IGF confirma ilegalidades no negócio da EPUL com o Benfica”, JNegócios 2007-05-10, p. 40

2. Ver www.correiomanha.pt/noticia.asp?id=241816&idselect=90&idCanal=90&p=200

3. Lusa, SIR-8990758

publicado por Sobreda às 01:55
Link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos

.Participar

. Participe neste blogue