Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

CDU LUMIAR

Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

Jornal ELO nº 396

Sobreda, 07.05.09

 

Foi publicada uma nova edição do ‘Jornal ELO’ da Associação de Deficientes das Forças Armadas.
Neste nº 396, de Maio de 2009, destacam-se, entre outros, os seguintes temas:
Saúde dos deficientes militares - Comissão de defesa aprova por unanimidade, p. 1
Editorial - “Só à volta da ADFA podemos construir a confiança que diariamente nos anima”, p. 3
Agno - ADFA não abdica da defesa dos direitos dos deficientes militares, p. 8 e 9
25 de Abril com Marques Júnior na sede da ADFA, p. 15
35º aniversário - Vamos confirmar a força da nossa razão, p. 16
 

Pessoas com deficiência

teresa roque, 05.12.08

Assinalando o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência (3 de Dezembro), o PCP salienta que, «mais do que declarações de circunstância, o que se impõe é rigor e verdade quanto às consequências das políticas de direita no agravamento das situações de vulnerabilidade económica e social, de pobreza e exclusão social, especialmente agravadas pelo desemprego, pelos baixos salários e pela fragilização dos sistemas públicos de Segurança Social, de Saúde e Ensino». Tais consequências «expressam-se na elevada taxa de sinistralidade laboral», enquanto «o Governo responde privilegiando os interesses económicos das seguradoras, em vez de zelar pelo reforço da protecção social dos acidentados de trabalho».
Numa nota, divulgada anteontem, a Comissão do PCP para a Área da Deficiência «saúda as pessoas com deficiência e as suas associações representativas que, em condições difíceis, não desistem de lutar contra as injustiças sociais e a acentuação das discriminações específicas a que estão sujeitas, ao arrepio dos direitos constitucionalmente expressos».

 

Publicado Jornal "AVANTE" 04.12.2008

Olimpíadas da mobilidade

Sobreda, 31.10.07

A CDU reuniu-se com diversas associações de pessoas com deficiência, a propósito da urgente requalificação do espaço público da capital. Objectivamente a proposta pede a criação de um “programa geral de reabilitação da cidade” que resolva o “estado de degradação” do espaço público, dando, também, “melhor resposta” de acessibilidade às pessoas com mobilidade condicionada.

Num dos encontros, a Associação Portuguesa de Deficientes (APD), recordou que a legislação prevê “há dez anos” o fim das barreiras, mas a tarefa em Lisboa ainda é “colossal”. “Já foram feitas coisas, mas ainda há muito trabalho. Em passagens aéreas, espaços verdes, ao atravessar estradas sem semáforos sonoros, andar em Lisboa ainda é um desafio”.

A APD diz entender que o problema não se resolva de um dia para o outro, mas “se virmos a Câmara definir um plano, com ponto de partida e de chegada, acreditamos numa Lisboa acessível a todos”. Em Lisboa existirão mais de 5 mil pessoas entre as portadoras de deficiências motoras.

A Associação lembra que, mesmo os edifícios públicos continuam, em muitos casos, por arranjar, e pede a intervenção da CML nos seus espaços e a sensibilização nos do Estado.

 

Ver Destak 2007-10-30, p. 2

Deficiente mobilidade

Sobreda, 25.09.07

O D.-Lei nº 163/2006 estabelece normas técnicas de acessibilidade a espaços públicos, colectivos, via pública e edifícios. Mas a realidade entre a teoria e a prática ainda parece ser bem diferente.

Circular em Lisboa não é tarefa fácil, nem com material mais moderno. Por isso, na semana europeia da mobilidade, a Associação Portuguesa de Deficientes (APD) resolveu mostrar que essas dificuldades são reais na cidade de Lisboa.

Tarefas simples do dia-a-dia como utilizar um telefone público, aceder a uma caixa de Multibanco ou atravessar uma passadeira podem tornar-se complicadas para uma pessoa que tenha dificuldades de mobilidade.

A juntar a tudo isto há obstáculos naturais e outros que são colocados pelo homem na via pública, designadamente, a circulação de invisuais e de cadeiras de rodas por locais em obras que não satisfazem as necessidades especiais de acessibilidade. Uma situação que se repete na Freguesia ao longo dos diversos estaleiros das obras em curso, por ex., com as do Eixo Norte-Sul, viaturas e outros obstáculos em cima de passeios ou rampas com elevadores a que ninguém consegue aceder.

Uma Semana da Mobilidade, mas não para deficientes. Por isso a APD tenta que a rua seja um lugar melhor e sem armadilhas.

 

Ver www.tvi.iol.pt/informacao/noticia.php?id=857012