Blogue conjunto do PCP e do PEV Lumiar. Participar é obrigatório! Vê também o sítio www.cdulumiar.no.sapo.pt

.Temas

. cml(388)

. governo(157)

. telheiras(157)

. cdu(146)

. lumiar(133)

. eleições autárquicas(131)

. urbanismo(117)

. pcp(101)

. alta do lumiar(97)

. partidos políticos(96)

. segurança(94)

. orçamento(93)

. carnide(84)

. pev(83)

. trabalho(83)

. desemprego(77)

. saúde(76)

. trânsito(74)

. sindicatos(70)

. economia(68)

. todas as tags

.Pesquisar neste blogue

 

.Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
18
19
23
24
29
30
31

.Artigos recentes

. Um parque infantil entala...

. Áreas expectantes continu...

. Parques surrealistas

. Lumiar desprotegido - 4

. Como construir uma “Lixot...

.Arquivos

. Março 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

.Ligações

Quarta-feira, 8 de Julho de 2009

Um parque infantil entalado

E eis se não quando, a há vários anos apregoada construção de um equipamento infantil na Quinta de Santo António (vulgo, Parque dos Príncipes) começou a avançar.

 

 

Localiza-se num dos recantos do bairro, mais precisamente a poente da Rua prof. Mário de Albuquerque, numa praceta mesmo ao lado da Clínica Psiquiátrica de São José, bem afastado dos locais mais comuns de atravessamento pedonal, e tem prazo de conclusão previsto para Dezembro deste ano.

 

 

O curioso é que, com tanto espaço livre - e expectante - nas redondezas a merecer ser urgentemente recuperado, logo tivesse que ser programado para um local mesmo em frente – por consequência, tapando-a – a uma das portas das traseiras da Clínica, ficando, de futuro, essa saída ‘entalada’ pelo parque infantil.

 

 

O ‘plano’ é, por isso, de génio. Do tipo daqueles feitos a régua e esquadro nos gabinetes de arquitectura, mas sem conhecer o local de implantação. Como o custo da empreitada ascende a mais de 120 mil euros, pergunta-se: será que vai ter baloiços de ‘príncipe’ banhados a ouro?
publicado por Sobreda às 02:35
Link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos

Áreas expectantes continuam a (des)esperar

 

A propósito do recente projecto de construção de um parque infantil para o topo poente da Rua prof. Mário de Albuquerque, e para que não reste dúvidas a quem não conhece o local, eis, a escassos 20 a 30 metros, uma das zonas expectantes, bem mais aberta e não ‘enclausurada’ pelo muro e portão da Clínica Psiquiátrica de São José, entre as inúmeras das redondezas, que bem podia ser melhor utilizada para esse fim.
publicado por Sobreda às 02:23
Link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 13 de Abril de 2008

Parques surrealistas

Era uma vez um parque infantil, ou dois parques, ou três ou mais, na Alameda da Música.

 

 

Todos com as mesmas características: materiais de construção de 'primeira' qualidade, conservação 'atempada' e com 'segurança' infantil assegurada.

 

 

É com certeza uma freguesia periférica de Lisboa...

publicado por Sobreda às 00:02
Link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 3 de Maio de 2007

Lumiar desprotegido - 4

Era uma vez… Quase todas as histórias infantis começam assim. E costumam acabar bem. Esta nem começa nem acaba bem.

Há um par de anos atrás, os eleitos da CDU derem uma ‘volta’ aos parques infantis da Freguesia. Claro que não foi para andarem de baloiço, mas para constatarem uma antiga denúncia. Detectaram que, sistematicamente, praticamente nenhum dos bebedouros estava a funcionar, ou seja, estava apto a fornecer água às sequiosas crianças. A situação foi de seguida relatada num das Assembleias de Freguesia e as ‘culpas’ por não estarem ligadas as torneiras à rede pública foram lançadas, com um gesto de ombro, para a CML e para a EPAL.

O curioso é que logo noutro local ao lado, num bebedouro de outro parque infantil havia água ! Estranho? Não. É que este parque situado na Alameda Roentgen, já fica em... Carnide. Talvez a EPAL só dê “água pela barba” aos pais das crianças do Lumiar. Ou então há falta de empenhamento ou mesmo desleixo autárquico.

 

Voltamos no mês passado a alguns parques e a situação mantém-se. Um exemplo, mesmo ao lado do posto de abastecimento de gasolina do eixo Norte/Sul, a tal que veio inviabilizar o projectado pavilhão polidesportivo fechado: o parque infantil do Alto da Faia, cujo bebedouro nunca pingou, secou antes de abrir. As fotos falam por si e pela capacidade de desempenho deste executivo de Junta. Neste caso, as desprotegidas são as nossas crianças.

publicado por Sobreda às 23:56
Link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 27 de Abril de 2007

Como construir uma “Lixoteca”.

Para erigir uma Ludoteca de dejectos, vulgo ‘Lixoteca’, começa-se por se descentralizar uma verba para uma Junta, de preferência repartida num orçamento, em lume brando, de quatro anos.

Com ela, construa-se um parque infantil. Os materiais de construção não são relevantes pois é ‘apenas’ para uso de crianças. De preferência evitem-se as papeleiras, os bebedouros, as árvores de sombra e a manutenção. Sai sempre mais barato.

Divulgue-se à comunicação social, lancem-se foguetes ou descerrem-se placas comemorativas. Não se promovam campanhas de sensibilização. Mas não esquecer a fotografia da praxe no próximo Boletim da Junta.

Acumulem-se dejectos vários e, não havendo campanhas de sensibilização nem manutenção apropriada, misture-se bem os ingredientes no recinto de jogo.

Adicionem-se crianças e animais de companhia e é só misturar, mexendo sempre para o mesmo lado, o da degradação. Servir em 'banho Maria', sob um sol tórrido. As fotografias de família ‘para mais tarde recordar’ são grátis.

Em suma, se o problema do lixo está directamente associado à educação cívica, se a população não deixar o lixo na rua, se não deitarem lixo nem dejectos caninos para o chão dos parques, ajudarão a resolver uma boa parte do problema. Mas a falta dessa cultura cívica não pode servir de desculpa a uma actuação menos eficaz (ou inexistente) por parte das entidades competentes - Junta e CML.

Imagens como a apresentada infelizmente são frequentes, e apesar de acções pontuais junto das escolas através do Clube do Ambiente, a Junta e o DHURS não podem de todo descurar a limpeza efectiva dos locais.

Nota 1: Esta receita camarária não é recomendável a utentes, independentemente do seu escalão etário.

Nota 2: Como aos moradores – neste caso da ARAL - já ninguém faz o ‘ninho atrás da orelha’, os residentes da Alta do Lumiar prontamente denunciam as graves situações de acumulação de lixo. Seguirá relatório para o DHURS da CML.

Nota 3: Entre Junta e CML trocam-se responsabilidades mútuas, e o cidadão que se ‘lixe no lixo’.

publicado por Sobreda às 16:11
Link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos

.Participar

. Participe neste blogue